Artigos

pediatra - Vómitos da Criança

Vómitos da Criança

As causas dos vómitos são evidentes na maioria das vezes. O carácter de alguns vómitos (em jato e fáceis, ou quando aparecem em circunstâncias precisas – bater com a cabeça no chão por exemplo) deve incitá-la a consultar o seu médico.

Diagnóstico

O vómito é a expulsão abundante de alimentos a seguir a esforços gástricos involuntários e náuseas. É um sintoma do qual é necessário encontrar as causas:

  • As mais evidentes são as gastroenterites, as rinofaringites, as bronquites. A mais estudada é o refluxo gastroesofagiano, ao qual voltaremos mais adiante.
  • A mais benigna, normalmente, é a crise de acetona ou a indigestão
  • Existem duas outras causas relativamente frequentes: a estenose do piloro e a picatura gástrica, que abordaremos mais adiante.

Os vómitos também podem ter causas extra-digestivas: rinofaringite, otite, infeção urinária ou meningite, por exemplo.

Atenção!

Não confunda:

  • a regurgitação alimentar do bebé. que consiste na subida de uma pequena quantidade de leite, muitas vezes durante o arroto, portanto logo a seguir ao biberão. As regurgitações não têm qualquer incidência sobre o aumento de peso, não impedem a criança de crescer normalmente e param por volta dos cinco ou sete meses,
  • o refluxo gastroesofagiano. que se manifesta através de uma expulsão alimentar mais ou menos abundante — sem esforço de vómitos—do conteúdo do estômago Acontece longe ou fora das refeições e/ou durante o sono. O refluxo gastroeso-fagiano repercute-se sobre o peso da criança: deve ser procurado nos bebés com:
  1. vómitos com pequenos fios de sangue que traduzem a irritação do esófago (esofagite) durante a subida dos alimentos ácidos do estômago:
  2. rinofaringites ou otites a repetição;
  3. tosses persistentes rebeldes, asma:
  4. sintomas mais inquietadores tais como indisposições.

No geral, continua até à idade de dois ou três anos, até mesmo mais.

Procure erros dietéticos

Saiba que os erros de dieta no bebé são extremamente frequentes:

  • uma criança demasiado alimentada pode ter vómitos. A única maneira de se aperceber consiste em pesá-la regularmente e comparar o seu peso ao das curvas estandardizadas;
  • reconstituiu mal o leite sintético, pôs leite-em-pó de mais. ou o leite-em-pó antes da agua mineral.
  • a introdução da dieta diversificada foi demasiado brutal ou demasiado rápida;
  • a criança come muito depressa e engole muito ar.

Se tiver a impressão de que a criança digere mal o leite, vá consultar o seu médico, porque pode tratar-se de uma intolerância às proteínas de leite de vaca.

Principais complicações

Estão ligadas à origem dos vómitos

Atenção!

Vá imediatamente ver o seu médico, se a criança tiver vómitos:

  • em jatos fáceis ou associados a uma febre isolada. Podem ser os primeiros sintomas de uma meningite;
  • a seguir a ter caído com a cabeça no chão: hematoma subdural;
  • a seguir à absorção de produtos tóxicos ou medicamentos;
  • que impedem a criança de se alimentar e estão associados a uma diarreia;
  • se a causa não lhe parecer evidente.

Vá também a uma consulta rapidamente:

  • se verificar que o bebé de três ou quatro semanas, que se mantém alegre e contente, já não está a engordar e tem vómitos que aumentam progressivamente. Isto é provocado pelo engrossar do piloro, canal situado entre o estômago e o intestino, que entrava a saída dos alimentos para o intestino. O que tem por consequência uma estenose hipertrófica do piloro e necessita de uma intervenção cirúrgica benigna;
  • quando a criança come pouco e torce-se rapidamente depois de ter bebido o biberão. É a consequência de uma plicatura gástrica, ou seja, de um estômago que desce muito para baixo no abdómen e forma duas bolsas. Os alimentos têm então dificuldades para passarem de uma para a outra. A cura acontece muitas vezes quando mudamos para uma alimentação diversificada.

Originally posted 2014-04-03 09:32:53.

1280px Lobaria pulmonaria 010108c - Sticta pulmonaria

Sticta pulmonaria

Origem

Sticta pulmonaria, o líquen pulmonar, da família das estictáceas, cresce agarrado aos carvalhos, às faias e aos rochedos das montanhas da Europa.

Era utilizado tradicionalmente para acelerar o trânsito intestinal, contra os vómitos, as dores gástricas e o enjoo de barco.

Composição

A tintura-mãe é preparada com o talo (aparelho vegetativo dos líquenes, constituído por um tecido mais ou menos diferenciado, não vascularizado) seco e inteiro.

Indicações

Rinofaringites

  • Com nariz seco e entupido, o sujeito assoa-se constantemente sem resultado.
  • Com dores na raiz do nariz e cefaleias que melhoram com o corrimento nasal.
  • Tosse seca, dolorosa, a repetição principalmente noturna.

Gripe

  • Ao princípio, com dores no corpo e astenia.
  • E rinofaringite característica.

Sticta pulmonaria convém se

As modalidades forem:

  • Melhoras com o corrimento nasal.

Originally posted 2014-04-14 11:00:05.

mesoterapia 1 - Anginas Parte I

Anginas Parte I

A angina, ou a faringite, é uma inflamação aguda das amígdalas e da faringe que aparece principalmente entre os dois e os quarenta anos.

É provocada por uma infeção viral em 60 a 80% dos casos e por uma bactéria nos 20 a 40% restantes. A regra em França – embora a origem viral seja mais frequente – é tratar sistematicamente as anginas com antibióticos.

Nos Estados Unidos, a conduta é oposta visto que os antibióticos só são utilizados quando um exame médico à garganta provou a origem bacteriana da angina. Esta atitude parece ser a atitude do futuro, visto que os peritos franceses reconhecem a sua conformidade desde que os poderes públicos exigiram economias.

Segundo as mesmas fontes, o custo destas prescrições (pelo menos cinco milhões) inúteis de antibióticos é de aproximadamente quinhentos milhões de francos.

Diagnóstico

  • A angina traduz-se por uma dor na garganta, dificuldades para engolir, muitas vezes febre, por vezes arrepios e cefaleias.
  • Sem que seja a regra, no geral admitimos que a angina virai está normalmente associada a uma síndroma gripal ou a um ataque difuso do aparelho respiratório.
  • Por seu lado, a angina bacteriana é normalmente mais dolorosa e associada a volumosos gangliões no pescoço.
  • No entanto, estes critérios não são suficientes para afirmar a origem virai ou bacteriana, que só poderia ser confirmada com um exame médico na garganta.

Principais complicações

São provocadas pelo estreptococo beta-hemolítico, que é o germe mais frequentemente responsável pelas anginas bacterianas. É a causa de reumatismo articular agudo, ele próprio na origem de complicações renais e cardíacas.

As complicações da angina dizem essencialmente respeito às pessoas com menos de vinte e cinco anos e justificam um tratamento de antibióticos (penicilina) nas anginas bacterianas. Para alem desta idade, já não há risco de reumatismo articular agudo.

Tratamento

Sistematicamente ao princípio

  • Mercurius solubilis 5CH: medicamento da verdadeira angina, com as amígdalas vermelhas ou cobertas de pontos brancos. A dor ao engolir (a disfagia) é intensa, mau hálito, salivação abundante. A febre elevada é acompanhada por uma grande sede, arrepios e suores noturnos que não aliviam o doente.
  • Belladonna 5CH, quando a garganta e as amígdalas estão vermelhas. A língua e de um vermelho cor de framboesa, a disfagia é intensa A temperatura elevada é acompanhada por uma grande sede, afrontamentos, vermelhidão no rosto, uma transpiração abundante e um profundo desalento.

Posologia: ao princípio de qualquer dor de garganta, tomará estes medicamentos de 2 em 2 horas, durante 2 dias; depois a escolha entre estes últimos e os seguintes será em função da evolução.

Depois conforme o aspeto das amígdalas

Nas anginas “vermelhas”

As amígdalas estão vermelhas, tome:

  • Apis mellifica 5CH, se as amígdalas pálidas estiverem inchadas, se a úvula estiver “pendurada corno um saco cheio de água”. As dores ao engolir, ardentes e como se fossem picadas, melhoram com bebidas geladas. A temperatura é elevada, não há sede, expecto durante os adeptos, a pele seca e vermelha é entre-cortada de transpiração.

Acrescentará à Belladonna e ao Mercurius solubilis:

  • Phytolacca 5CH, ao contrário, se as amígdalas estiverem vermelho-escuro, mas sobretudo se a angina aparecer num contexto gripal (dores no corpo, tosse, rinofaringites). A garganta está seca, as dores ao engolir vão até aos ouvidos e pioram com bebidas quentes.

Substituirá Belladonna por:

  • Stramonium 7CH, se a garganta estiver vermelha, mas indolor. Para este medicamento, a temperatura elevada, a sede viva, o rosto vermelho, acompanham suores abundantes que não aliviam o doente.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias depois, 3 vezes por dia durante 6 dias.

Nas anginas “brancas”

Nas anginas “brancas”, as amígdalas tem pontos brancos, acrescentará à Belladonna e ao
Mercurius solubilis:

  • Mercurius cyanatus 5CH nas anginas brancas com febre moderada, gangliões volumosos no pescoço e mau estado geral Antes do aparecimento dos antibióticos, era o medicamento das anginas diftéricas; aliás, mantém-se interessante, nesta indicação em complemento dos tratamentos clássicos

Posologia 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias. depois 3 vezes por dia durante 6 ti ias.

Originally posted 2014-03-27 12:20:09.

gardnarellez - Tuberculinum

Tuberculinum

Origem

É a tuberculina bruta obtida a partir da cultura em meio glicerinado de Mycobacterium tuberculosis de origem humana e bovina.

Não é um medicamento da tuberculose; ao contrário, nesta patologia, a sua utilização é contraindicada, porque pode reativar a doença. É o medicamento central do modo tuberculinico.

Indicações

Doenças do bebé e da criança pequena

Das crianças que respondem bem.

  • Perturbações ORL a repetição que aparecem no tempo húmido ou são desencadeadas por fatores infeciosos nas crianças com amígdalas grossas e vegetações adenoides.

Indicações: rinofaringites, bronquites, anginas, otites.

  • Perturbações do crescimento:
  1. ou atraso de desenvolvimento físico com crescimento tardio, dentes em atraso;
  2. ou, ao contrário, crescimento muito rápido.
  • Os eczemas secos ou húmidos da Primavera e do Outono.
  • Terçolhos iterativos.
  • Nervosismo e agitação.

No adolescente que responde bem

  • Perturbações caracteriais, espasmofilia dos adolescentes (ver os sujeitos que respondem bem na página seguinte).
  • Cefaleias dos estudantes por esgotamento intelectual.
  • Magreza ou emagrecimento dos sujeitos que respondem bem apesar de um apetite normal, até mesmo maior, mas com diarreias ou fezes moles, mais ou menos crónicas.
  • Perturbações da puberdade nas jovens com a menstruação em avanço, abundante, esgotante e lecorreias («perdas brancas»).

No adulto que responde bem

As mesmas indicações que as anteriores, às quais se acrescentam ou acentuam-se;

  • Depressão, espasmofilia São caracterizadas por uma ansiedade e uma emotividade extremas, manifestadas através de uma febrilidade e de uma agitação doentias Estas perturbações são acompanhadas por tristeza, pena, desgosto, e lacrimação que piora ao acordar.
  • Reumatismos sem localização precisa mas com dores que mudam muitas vezes de lugar, começam e acabam brutalmente, e pioram com o tempo húmido.
  • Infeções urinárias a repetição.
  • Tosse noturna que piora de noite. O doente tosse enquanto dorme sem ser acordado.

Tuberculinum convém se

Os fatores desencadeantes forem:

  • Fatores infeciosos «espontâneos» ou induzidos:
  1. por vacinas vivas: BCG, ROR, ROUVAX, RUDIVAX, DT Coq;
  2. por doenças alergizantes sarampo, coqueluche, hepatite virai, mononucleose infeciosa.
  3. por antibioterapias repetidas.
  • Fatores dietéticos na origem de carências alimentares, ou de desmineralização.

As modalidades forem:

  • Uma agravação numa atmosfera confinada, com o tempo húmido e frio, com as temperaturas extremas, com o mais pequeno esforço, com a fadiga.
  • Melhoras ao grande ar, com o movimento.

Os sujeitos que respondem bem a Tuberculinum

O bebé com o olhar vivo e alegre, já é agitado.

Criança, é remexida e turbulenta, cresce muito – a sua futura constituição longilínea começa a adivinhar-se -, torna-se friorenta mas com necessidade de ar, cansa-se depressa e mantém-se magra apesar de ter um apetite normal.

Fraca fisicamente, é precoce intelectualmente. As suas constipações frequentes complicam-se muitas vezes com bronquite; as suas amígdalas são grossas.

Adulto, o seu aspeto longilíneo é nítido e característico, tal como a sua instabilidade nervosa que se traduz por uma hiperemotividade, uma variabilidade de humor, um nervosismo, uma irritabilidade acompanhada por fúrias na mais pequena ocasião.

Esta instabilidade repercuta-se em todas as áreas da vida (profissionais ou sentimentais) e manifesta-se a mínima através de uma predileção pronunciada pelas mudanças de casa, pelos rearranjos interiores (frequentes mudanças de lugar dos móveis ou dos objetos do apartamento), e pelas viagens.

Fisicamente, os sujeitos que respondem bem são na maioria das vezes altos, magros, friorentos, cansam-se muito rapidamente e transpiram com o mais pequeno esforço.

O seu apetite é bom, têm uma tendência marcada para a diarreia, para os suores noturnos e para as perturbações venosas.

Posologia

Em todas estas perturbações, a prescrição é mais hebdomadária: Tuberculinum 15CH, uma dose por semana integrada num tratamento de fundo: exceto para as tosses, Tuberculinum 5CH, classicamente.

Originally posted 2014-04-14 14:37:13.