Artigos

cochenille - Coccus cacti

Coccus cacti

Origem

A cochonilha é uma inseto da rodem dos homópteros (cigarras, psilas, pulgões) da família dos cicadídeos, originaria do México. Tem uma vida sedentária, vive sempre em vegetais e deixa de se alimentar muito jovem para se reproduzir consideravelmente.

Para além disso, através de um aparelho bucal muito bem adaptado, estes parasitas chupam a seiva dos vegetais e esgotam-nos, tornando-se assim um terrível inimigo das culturas.
De facto, a sua presença tornou necessária a introdução em França da joaninha australiana – o seu predador mais temível- a fim de limitar a sua extensão.

Composição

A tintura-mãe, preparada a partir do inseto fêmea, contém principalmente o ácido carmínico (um colorante vermelho vivo) e ácidos gordos.

Indicações

Rinofaringites

Aparecem sobretudo no tempo frio. O corrimento na garganta de mucosidades espessas, amareladas, difíceis de expulsar é característico destas rinofaringites.

Os ataques de tosse seca, espasmódica, sufocante são acompanhados por vermelhidão no rosto. Melhoram bebendo frio, e pioram bebendo quente, com o calor da cama, e ao acordar.

Tosses reflexas

Aparecem:

  • quando escovamos os dentes;
  • quando passamos um baixa-línguas;
  • quando usamos um aparelho dentário ou quando fazemos tratamentos dentários.

Coqueluche

  • No caso de coqueluche, com a sua tosse característica supracitada.
  • Nas tosses de coqueluche que aparecem a seguir às vacinas contra a coqueluche.

Menstruação dolorosa

Nas mulheres que têm a menstruação em avanço, longa, abundante de sangue negro, espesso, com coágulos grossos. As dores tipo espasmos assemelham-se às do parto.

Cólica nefrética

Na ausência de melhoras rápidas, 6 necessário recorrer a um tratamento clássico.

Coccus cacti convém se

As modalidades forem:

  • Uma agravação com o calor, quando escovamos os dentes.
  • Melhoras quando bebemos frio.

Originally posted 2014-04-09 13:24:19.

Aconitum napellus JPG1a - Aconitum napellus

Aconitum napellus

Origem

Aconitum napellus, o acónito, é uma planta vivaz da família das ranunculáceas que floresce, no estado selvagem ou nos nossos jardins, de Junho a Agosto. Muito tóxica, está presente nas nossas regiões entre 500 e 1,800m de altitude, é originária da Europa, da Ásia e da América do Norte.

O seu caule com cerca de 1,5m tem na parte terminal flores localizadas em cacho de um azul violáceo e folhas muito recortadas de um belo verde. Todos os anos, forma-se uma nova raiz na antiga que morre.

Composição

A tintura-mãe é preparada a partir da planta inteira apanhada no fim da floração, mas é nas suas raízes que se encontram as concentrações mais elevadas de princípios ativos: para além da aconitina, um alcaloide muito touco, contém dopamina e tiramina.

Indicações

Febre

Alta, que aparece brutalmente, caracterizada por:

  • uma pele seca, vermelha, quente, com arrepios;
  • uma sede intensa de grandes quantidades de agua fria;
  • uma agitação e uma ansiedade que aparecem por volta da meia-noite no acme da febre.

Muito Importante: é utilizado sobretudo no princípio das doenças que aparecem brutalmente. Logo que a transpiração aparece, o sujeito sente-se melhor, a indicação de Aconitum napellus cessa, e é substituído por Belladonna na maioria das vezes.

Perturbações ORL

Rinofaringites

O nariz entope-se brutalmente a seguir a ter apanhado um frio seco, mas não pinga. Por vezes, a lebre típica está logo presente.

Angina

Angina vermelha com febre característica logo ao princípio, a seguir a ter apanhado um frio seco.

Laringite

Com febre típica, despertar à meia-noite e ataques dolorosos de tosse rouca.

Golpe de sol, insolação

Com febre típica, e portanto vermelhidão no rosto e bastante sede.

Nevralgias

Da face e do trigémeo principalmente.
Ciáticas que aparecem com o tempo frio e seco, acompanhadas por formigueiro e entorpecimento.

Diarreia

Líquida de fezes verdes, com espasmos abdominais que nenhuma posição alivia. Aparece com o tempo frio e seco

Crises de angústia

Por volta da meia-noite com a sensação de morte iminente (Arsenicum álbum).

Hipertensão arterial

  • Simples.
  • Acompanhada por crises de hipertensão arterial com o nariz a pingar sangue vermelho brilhante.

Aconitum napellus convém se:

Os fatores desencadeantes forem:

  • Mudanças brutais de temperatura do quente para o frio seco.
  • Medos brutais súbitos e inesperados.

As modalidades forem:

  • Uma agravação por volta da meia-noite, com o frio seco e brutal.
  • Melhoras com o aparecimento da transpiração.

Os sujeitos que respondem bem a Aconitum napellus

São sujeitos jovens, vigorosos, de boa saúde, que adoecem de uma maneira brutal, inesperada e impressionante. Tornam-se muito ansiosos e angustiados neste estado.

Posologia

  • Nas nevralgias, nas crises de angústia: Aconitum napellus 15CH, 2 grânulos a repetir todas as horas ou mais vezes se necessário.
  • Laringites Aconitum napellus 15CH, 2 grânulos de 10 em 10 minutos enquanto o médico não chega.

Originally posted 2014-04-08 11:18:04.

IMG 1281 - Tratamento homeopático das Rinofaringites

Tratamento homeopático das Rinofaringites

Ao princípio

  • Ammonium carbonicum 5CH: no bebé, com o nariz seco e entupido, que não consegue dormir de noite
  • Nux vomica 5CH: a mesma coisa, mas com espirros e um desencadeamento de constipação em tempo frio ou logo a seguir a ter apanhado uma corrente de ar.
  • Sambucus 5CH: medicamento próximo de Ammonium carbonicum, mas a obstrução nasal é tal que o bebé tem dificuldade para mamar – pára de mamar para recuperar o fôlego -, porque um bebé só sabe respirar pela boca.

Posologia (para todos os medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias e 3 vezes por dia durante 3 dia.

Tratamento local da criança e do bebé

É importante e previne o aparecimento de otites.

  • Nos bebés: faca lavagens suaves — sobretudo ao levantar e ao deitar — com soro fisiológico ou com água salgada para evacuar as secreções nasais, ou aspire estas últimas com um aspirador nasal.
  • Nas crianças um pouco mais crescidas: ensine-lhes a assoarem-se bem, uma narina de cada vez, e de preferência com lenços de papel.

Tratamento de terreno da criança e do bebé

É necessário no caso de rinofaringites a repetição. A homeopatia tem uma eficácia reconhecida nesta área.

O tratamento permite ao mesmo tempo o espaçamento dos episódios de rinofaringites estes últimos aparecem, ficam localizados no nariz e não se complicam infetando os brônquios ou provocando uma otite.

Originally posted 2014-04-02 10:56:53.

Kind beim arzt - Pediatria

Pediatria

Os seus filhos são o objeto de todas as suas atenções. Então já não suporta que tomem antibióticos à mais pequena constipação, e está farto das rinofaringites, bronquites ou otites que se repetem de oito em oito dias.

E é muitas vezes nestas ocasiões que descobre a homeopatia. Este capítulo tem por objetivo mostrar-lhe que a esfera de ação da homeopatia não se limita só a estas patologias. Ao contrário, esta terapêutica pode proporcionar-lhe soluções em áreas tão diversas como variadas, que tanto dizem respeito às doenças agudas como crónicas.

A prática da homeopatia em pediatria necessita de um esforço de observação dos seus filhos no qual não está forçosamente habituado. Por exemplo no caso de febre, para saber se o seu bebé tem sede, apresente-lhe o biberão muitas vezes e verifique a sua reação. Para saber se tem muito calor, observe se empurra o lençol, se transpira facilmente.

Verifique as suas reações no banho; se tem arrepios facilmente, se aprecia o banho quente ou chora logo que este último arrefece, etc.

Além disso, na criança, tomar grânulos é diferente. No bebé, antes dos seis meses, os grânulos são derretidos num resto de biberão antes de serem absorvidos. Entre os seis meses e um ano os grânulos podem ser dados um a um na boca.

Uma outra maneira de proceder, se a criança recusar os grânulos, consiste em diluir uma dezena de grânulos em 100ml de água e repartir esta dose durante o dia espaçando-a à medida que os sintomas melhoram.

Seja qual for a idade, se os grânulos forem tomados com água e preparados de avanço, é indispensável abanar o pão antes de dar a dose medicamentosa a fim de recriar a dinamização.

A automedicação dos seus filhos deve ser prudente e refletida. Tenha em consideração todas as chamadas de atenção enunciadas para cada doença tratada nesta parte. Vá a uma consulta à mais pequena dúvida e ainda mais rapidamente quando os bebés têm menos de um ano.

Desconfie sobretudo das diarreias no bebé, porque o risco de desidratação é muito importante e pode aparecer durante vinte e quatro horas, e sobretudo se houver vómitos associados. Uma regra geral: nunca espere para ir a uma consulta, sejam quais forem os sintomas, se sentir a mais pequena inquietude.

Originally posted 2014-04-01 14:31:03.

ndsc 9204 - Hydrastis

Hydrastis

Origem

Hydrastis, da família das ranunculáceas, é uma planta herbácea das florestas montanhosas dos Estados Unidos e do Canadá. Na origem, era utilizada contra as úlceras, as doenças dos olhos e as inflamações da boca, mas o seu preço elevado naquela épica as dificuldades para a cultivar limitaram a utilização e favoreceram a fraude através da adição de raízes de outras origens.

Nos anos cinquenta, ainda era utilizada para prevenira menstruação muito abundante.

Composição

A tintura-mãe preparada a partir dos órgãos subterrâneos contém alcaloides tóxicos entre os quais a hidrastina, a berberina, e a canadalina com efeitos vasoconstritores, espasmolíticos reguladores do fluxo biliar.

Indicações

Rinofaringites e sinusites agudas ou crónicas

Reconhecem-se através:

  • dos corrimentos nasal e faríngeo de secreções amarelas, espessas e viscosas.
  • da tosse seca, penosa, seguida por uma expetoração amarelada e pegajosa.

Prisão de ventre

Fezes pequenas, duras, ligadas entre elas por muco, nas pessoas que, ao pensarem que têm prisão de ventre, abusam dos laxativos.

Esta mania provoca uma verdadeira prisão de e é acompanhada por uma astenia e, no limite por um emagrecimento ligados a uma perda de minerais.

Má digestão

Com uma sensação de vazio no estômago que não desaparece com a ingestão de alimentos e uma língua amarelada que guarda a marca dos dentes.

Aftas bucais e herpes labiais

Com secreções amareladas.

Hydrastis convém se

As modalidades forem:

  • Uma agravação com o frio, com os laxativos.

Posologia

Prisão de ventre devido ao abuso de laxativos: Hydrastis 6DH, 20 gotas 2 vezes por dia.

Originally posted 2014-04-10 09:37:36.