Artigos

Aree d’intervento - Podemos ser vacinados por homeopatia ou emagrecer com ela?

Podemos ser vacinados por homeopatia ou emagrecer com ela?

“Podemos ser vacinados por homeopatia”

Não, não podemos ser vacinados por homeopatia. A vacinação, no sentido pasteurizado do termo, supõe a produção de anticorpos depois da injeção de antígeno. Em contrapartida, existem tratamentos homeopáticos preventivos que evitam certas doenças, tal como a gripe por exemplo.

“A Homeopatia poderá fazer emagrecer?”

Não. a homeopatia não faz emagrecer. Alguns médicos fazendo-se passar por homeopatas aproveitam-se da confiança natural dos pacientes para receitarem sob a forma de cápsulas, medicamentos – perigosos no individuo são,

Na maioria das vezes à base de hormonas tiroidanas de diuréticos e de anfetaminas, estas substâncias provocavam respetivamente uma perda da massa muscular, uma desidratação e uma carência mineral e, para os últimos, uma dependência psíquica com depressão física e mental e uma astenia muito importante.

Felizmente, uma legislação relativamente recente proibiu a utilização destas substâncias em preparação magistral (sob a forma de cápsulas receitadas pelo médico). Apenas uma dieta ou, mais exatamente, uma mudança de hábitos alimentares, e um acompanhamento médico seno permitem obter um resultado.

Um tratamento homeopático personalizado, tratando as perturbações coexistentes com a obesidade proporciona um melhor conforto ao paciente e tem um efeito benéfico sobre a redução ponderal.

Originally posted 2014-03-24 12:05:37.

1dandelion3 - Os complexistas

Os complexistas

Os complexistas têm um procedimento oposto ao dos pluralistas e dos unicistas. Prescrevem um grande numero de medicamentos sob a forma de preparação magistral.

Afastam-se das bases da homeopatia ao prescreverem estas preparações que não sofreram qualquer um dos processos de desenvolvimento do medicamento homeopático, ou seja, a experimentação no homem são e a cura no homem doente.

Para além disso, esta técnica, embora simplifique a prática da homeopatia, reduzindo provavelmente o campo de aplicação: não atua em profundidade sobre o indivíduo, no máximo alivia-o temporária e superficialmente.

Esta prática é mais útil enquanto “automedicação de espera”, vendida por vezes pelo farmacêutico sob a forma de especialidades ditas “homeopáticas”.

É utilizada pontualmente pelos médicos pluralistas com um número reduzido de medicamentos (quatro ou cinco no máximo) em fracas diluições, e visa então mais o sintoma do que a doença. Ainda é utilizada por alguns para “drenar”, ou seja, para “limpar o organismo”, o que é, atualmente, uma noção no mínimo abstrata e no máximo ultrapassada.

Originally posted 2014-03-26 10:38:44.

National Doctors Day 2011 freecomputerdesktopwallpaper 1280 - Os Médicos

Os Médicos

Os números

Em França, segundo um folheio editado pelos diferentes sindicatos homeopáticos.

5.000 médicos são ditos “médicos homeopatas”, ou seja, prescrevem na maioria das vezes em primeira intenção a homeopatia, e recorrem a outras terapêuticas quando o consideram necessário. Estão indicados na rubrica “Orientação homeopática” nos anuários departamentais de França Telecom.

 

  • 500 médicos especialistas são prescritores de homeopatia; entre eles. contamos aproximadamente 10 pediatras. Para além destes últimos, os dermatologistas, os ginecologistas, os ORL e os pneumologistas, os alergiologistas e os geriatras parecem cada vez mais atraídos por esta disciplina

 

  • 13.000 médicos prescrevem a homeopatia ocasionalmente, e não são mencionados na rubrica “Homeopatia” dos anuários.

 

A Caixa Nacional de Segurança Social classifica os médicos homeopatas na categoria “Omniclínicos com modo de exercício especial” (MEE), juntamente, entre outros, com os acupunctores. os alergiologistas, flebologistas e os angiologistas. São classificados nesta categoria, porque exercem práticas especificas não reconhecidas como especialidades pela Segurança Social.

O número total de MEE em 1995 era de 6.806. Para a CNAM. o número dos médicos homeopatas sena mais restrito, visto que conta 1.398, ou seja, 20,5 % do conjunto dos MEE. Por entre outras categorias que também praticam a homeopatia, notamos 30,5 % (2.074) de clínicos acupunctores e 1.056 que pertencem a grupos próximos.

Um estudo mais antigo mas mais completo da CNAM indica que 23,6 % dos médicos homeopatas exercem em sector 1. Efetuam 88% dos seus atos em consulta e, contrariamente ao preconceito segundo o qual os médicos homeopatas não vão a domicilio, as deslocações constituem 9,7% dos seus tratamentos.

A maior parte das patologias é tratada por médicos generalistas homeopatas, as doenças dermatológicas são por uma boa parte tratadas pelos dermatologistas homeopatas (20,7%).

Com todos os atos em conjunto (consultas, consultas a domicílio, medicamentos, exames complementares, baixas, etc), um médico homeopata custa lodos os anos à sociedade 1.366.422 francos contra 2.370.249 francos para um médico generalista, ou seja, aproximadamente um custo menos elevado de 42%.

Originally posted 2014-03-24 16:06:30.

medicina - A formação dos médicos

A formação dos médicos

Em França, a homeopatia só pode ser exercida por doutores em medicina. Os médicos homeopatas, generalistas ou especialistas, seguem portanto o mesmo curso universitário que os seus colegas alopatas, ao qual é acrescentada uma formação em homeopatia de três anos suplementares. Um individuo não médico que pratique a homeopatia será perseguido por exercício ilegal de medicina.

No princípio do século, o ensino fazia-se principalmente de professor para aluno, depois estruturou-se com a criação, a partir de 1952, de escolas privadas. Em 1977, a faculdade de medicina de Besançon, sob a influência do Professor Grandmottet e do Dr. Belot, criou o primeiro diploma universitário de terapêutica homeopática.

Contrariamente aos diplomas de especialidades, os diplomas universitários não conferem um titulo. Qualquer médico, tendo ou não uma formação, pode por isso mesmo pretender-se homeopata. A partir de 1974, o Conselho nacional da ordem dos médicos autorizou a menção “Orientação homeopática” aos médicos que lhe fazem o pedido, sob reserva de informar o Conselho departamental da ordem dos médicos e de ter recebido uma formação apropriada.

As regras dos médicos homeopatas franceses:

1 A prática da homeopatia é efetuada por um médico homeopata.

2. O médico homeopata exerce a mediana após a obtenção do diploma de doutor em medicina, que confirma os seus estudos, feitos na faculdade.

3. Para além dos seus estudos, o médico homeopata é obrigado a seguir um ciclo de três anos de estudos especializados em homeopatia. Qualquer paciente tem o direito de exigir ao seu médico homeopata um diploma de fim de estudos.

4. A consulta do médico homeopata comporta uma conversa com o paciente, um exame geral, um diagnostico médico, depois uma investigação precisa das reações pessoais próprias ao doente.

5. Apenas o médico homeopata está habilitado a avaliar a terapia homeopática a aplicar, ou, se o caso o exigir, uma prescrição alopática.

6. O médico homeopata pode ser obrigado a pedir análises clínicas, uma consulta a um colega especialista, uma hospitalização…

7 Os medicamentos homeopáticos são fabricados por laboratórios farmacêuticos especializados, conforme normas muito estritas, fixadas pelo Ministério da Saúde.

8. Os medicamentos homeopáticos são vendidos nas farmácias, sob a responsabilidade do farmacêutico.

9. Os medicamentos homeopáticos são reembolsados pela Segurança Social.

10. O Sindicato nacional dos módicos homeopatas franceses reserva-se o direito de denunciar quaisquer práticas, quaisquer formas de vulgarização, de informação e de publicidade da homeopatia que possam constituir um atentado à saúde individual ou colectiva.

Originally posted 2014-03-24 16:14:34.

wp12b6bea4 - O Placebo

O Placebo

Medicamento e placebo

O placebo é uma substancia neutra, muitas vezes açúcar, que não tem teoricamente qualquer atividade farmacológica e, portanto, não pode teoricamente curar um doente. Serve de referência, é o nível zero do mar, o meridiano de Greenwich, é em relação a ele que a eficácia de um medicamento é avaliada. Tem todas as características do medicamento ativo, o aspeto, a forma, a cor, o sabor.

Para que serve o placebo?

Em medicina, o placebo, é utilizado para demonstrar que um medicamento é ativo. Para isso, durante uma experimentação, repartimos, através de um sorteio, os doentes em dois grupos, ignorando todos se beneficiarão do medicamento ativo ou do placebo. A comparação dos seus efeitos respetivos permite avaliar a realidade da eficácia do medicamento.

Por isso, o placebo é “nada’, é o vazio, o zero, é quase ou até talvez completamente uma noção filosófica. Vamos dentar lalar Bernard Lachaux e Patrick Lemoine que escreveram um livro sobre este assunto

“Os medicamentos passam, o placebo fica. Será possível imaginar projeto mais vão do que escrever uma obra sobre nada”* Haverá um espirito civilizado, positivo, racional, moderno, numa palavra, cientifico para acreditar que nada é muito? Como entender que ninguém não trata nada sem nada?

A quem é que poderíamos fazer admitir que a mesma medicamentação, dada pelo
mesmo terapeuta, ao mesmo individuo, terá um efeito diferente conforme o momento, o
humor, os estados de alma, o cenário, a situação social, a política, a moda? e porque não
os astros?

Tudo isto não parece lá muito serio ou, então, é preciso pedir ajuda a todos os Paracelsos, Mestres Albertos e outros espagiristas. No entanto, nada existe, nós vimo-lo!

Vimos um homem de boa-fé entrar numa coma impressionante de vinte e quatro horas e ser admitido no serviço de reanimação, depois de ter absorvido duas caixas de placebo especialmente doseado… de sentido.

Lemos que médicos responsáveis e experientes curavam crises de asma receitando aos seus pacientes um placebo que lhes tinha sido apresentado como um novo medicamento milagroso.

Até ouvimos dizer, mas como acreditar, que o Simpósio continha 50% de placebos mais ou menos impuros. Então se o Placebo existe, lemos de falar dele. […]

Então tornou-se na moda, adquiriu notoriedade. Foram-lhe dedicadas centenas de milhares de estudos. Então, para que a sua glória nova não lhe subisse demasiado a cabeça, decidimos pôr-lhe limites, porque ao querer ser demasiado exaustivo pode tomar-se completamente importuno”

Originally posted 2014-03-21 16:40:13.