Artigos

herbs larger pic - Os Pluralistas

Os Pluralistas

Os médicos homeopatas opõem-se principalmente sobre dois conceitos que correspondem a praticas de prescrição diferentes. Os “pluralistas”, largamente maioritários em França, prescrevem alguns medicamentos homeopatias para cobrirem o mais completamente possível o modo reacional do paciente os “unicistas” utilizam um só medicamento com o mesmo objetivo; um pouco à parte, os “complexistas” utilizam misturas de numerosos medicamentos homeopáticos ou fisioterapêuticos em fracas diluições.

Os pluralistas

O pluralismo é a técnica de prescrição melhor adaptada à prática quotidiana, porque os doentes apresentam patologias múltiplas sobre um terreno reacional complexo. O seu procedimento, lógico e racional, permite a prescrição de um ou de deus medicamentos de terreno, e de um número similar de medicamentos de sintomas, é um método de estratégia terapêutica flexível e evolutiva que permite adaptar o medicamento em função das variações do estado clínico do doente.

O médico que utiliza esta técnica pode sempre justificar a sua prescrição e explicar ao paciente a que corresponde cada medicamento. A sua receita é clara, precisa, simples de aplicar para o paciente (melhor observância).

Compõe-se de. nos casos crônicos, cinco ou seis medicamentos, à razão de dois de manhã e a note aos quais se acrescenta uma dose hebdomadária; nas doenças agudas para as quais os sintomas são raramente individualizados mas nítidos, permite mudar rapidamente os medicamentos em função da evolução da doença.

Originally posted 2014-03-26 10:29:21.

fundo02 - Os limite de compromisso da homeopatia

Os limite de compromisso da homeopatia

Nos doentes que sofrem de doenças graves

De uma maneira geral, nestas doenças, os pacientes têm um tratamento pesado, ou seja, relativamente tóxico e portanto dotado com efeitos secundários. Estes últimos levam muitos doentes a consultar o médico, a fim de, no melhor dos casos, limitarem os efeitos secundários, no pior, para pararem o tratamento.

A posição mais sensata consisto em convence-los a consolidarem este ultimo associando-lhe a homeopatia, mesmo quando esta atitude do “meio termo” é combatida por vezes por pacientes que estão convencidos de que a homeopatia pode fazer tudo sozinha, e querem abandonar definitivamente o seu tratamento clássico.

Nas pessoas sãs que sofrem de futuras doenças graves

A mediana atual permite, graças aos exames biológicos, descobrir doenças antes de o paciente sentir o mais pequeno sintoma. Esta benéfica medicina de prevenção deteta as doenças precocemente. Tem, no entanto, o “inconveniente” de “tomar” doentes pessoas que no entanto se sentiam bem de saúde, viste que não apresentavam qualquer sinal de sofrimento.

Este fenómeno toma-se ainda mais verdadeiro devido às terapêuticas utilizadas atualmente para tratar essas pessoas porque têm numerosos efeitos secundários que acentuam esta impressão fazendo-as entrar na doença.

Por vezes, em alguns desses futuros doentes, há um outro motivo de reticência que emana da sua incerteza quanto à eficácia do tratamento que lhe propõem, da sua convicção de nocividade, mas sobretudo da dificuldade para apreenderem os prazos longínquos das complicações da sua doença.

Por isso, naturalmente, têm tendência para pararem essas terapêuticas das quais não obtêm a eficácia imediata. É por isso que muitas vezes é necessária uma verdadeira negociação para os tomar lúcidos, responsáveis, e incitá-los a continuar o seu tratamento.

Originally posted 2014-03-24 13:11:20.

fosfato - Diluição

Diluição

Diluição: etapa da fabricação do medicamento homeopático que permite diminuir a concentração da substância do início. A CH (centesimal hahnemanniana) é a sua unidade de medida.

Originally posted 2014-04-17 09:21:37.

1dandelion3 - Os complexistas

Os complexistas

Os complexistas têm um procedimento oposto ao dos pluralistas e dos unicistas. Prescrevem um grande numero de medicamentos sob a forma de preparação magistral.

Afastam-se das bases da homeopatia ao prescreverem estas preparações que não sofreram qualquer um dos processos de desenvolvimento do medicamento homeopático, ou seja, a experimentação no homem são e a cura no homem doente.

Para além disso, esta técnica, embora simplifique a prática da homeopatia, reduzindo provavelmente o campo de aplicação: não atua em profundidade sobre o indivíduo, no máximo alivia-o temporária e superficialmente.

Esta prática é mais útil enquanto “automedicação de espera”, vendida por vezes pelo farmacêutico sob a forma de especialidades ditas “homeopáticas”.

É utilizada pontualmente pelos médicos pluralistas com um número reduzido de medicamentos (quatro ou cinco no máximo) em fracas diluições, e visa então mais o sintoma do que a doença. Ainda é utilizada por alguns para “drenar”, ou seja, para “limpar o organismo”, o que é, atualmente, uma noção no mínimo abstrata e no máximo ultrapassada.

Originally posted 2014-03-26 10:38:44.

remedio - Qual forma e qual diluição?

Qual forma e qual diluição?

“Quando optar por uma dose ou por grânulos?”

Conforme os hábitos, a utilização de doses ou de grânulos tanto se justifica nos casos agudos como nas doenças crónicas.
De uma maneira geral, a utilização de doses faz-se pontualmente:

  • nos casos agudos, por ocasião de uma picada de abelha, uma dose de Apis mellifica 15CH pode ser o suficiente para aliviar as dores, imediatamente a seguir a uma queda, uma dose de Arnica montana 15CH atenua as dores e serve de prevenção para as complicações tal como uma equimose (a “nódoa negra”), por exemplo.
  • nas doenças crónicas, os médicos utüzam técnicas muito variadas para a prescrição das doses. Em função das patologias, podem ser receitadas por dia. Por semana ou por mês.
  • Para além destes casos: tanto nas doenças agudas como crónicas, tomará grânulos, na maioria das vezes em doses de três Saiba que alguns receitam-nos em doses de dois, outros de cinco com os mesmos resultados.
  • Que diluição devemos escolher?”

Uma vez que determinou o medicamento que quer utilizar, tem de procurar a diluição mas apropriada.

O modo de raciocínio é o seguinte: quanto mais o medicamento corresponder aos sintomas que sente, mais deverá tomá-lo em diluições elevadas. Porquê? Porque corresponde mais à sua maneira de reagir à doença.

Originally posted 2014-03-26 11:14:40.