Artigos

Conheca a terapia floral2 - Detractores e Partidários Homeopatia

Detractores e Partidários Homeopatia

Os detractores

Apesar da lógica do seu procedimento, Hahnemann foi logo criticado. Assim, Trousseau, um dos seus contemporâneos, à priori “não acreditava naquilo” e afirmava que “a homeopatia tinha de ser julgada, nem que fosse só para nunca mais falar nela”.

Punha o êxito da homeopatia por conta da cura espontânea das doenças, e associava esta última, por um lado, à nova aproximação dos doentes pelos médicos homeopatas – observação, paciência, tempo – e, por outro, ao impacto desta última sobre a imaginação dos doentes. Já afirmava a ausência de reprodutibilidade dos efeitos e evidenciava o efeito placebo.

No entanto, reconhecia – o que lhe valeu ser criticado – que a homeopatia dava “uma ideia nova do medicamento, um método novo de constituir a Matéria médica, uma Terapêutica geral de certas relações afirmadas entre a natureza do medicamento e a da natureza”.

Auguste Bonnet, então presidente da Sociedade real de medicina de Bordéus, rejeitava os efeitos de doses tão pequenas, improbabilidade da doutrina, e pedia que fossem retomadas as experimentações sobre os sujeitos sãos. Para além disso, a Academia de medicina argumentava os riscos mortais daquela medicina nova e da sua vaidade científica.

Os mais objectivos, ao mesmo tempo que a rejeitavam, reconheciam que modificações químicas mínimas podiam gerar propriedades fundamentalmente diferentes, mas também se interessavam pela contribuição que a homeopatia podia trazer à medicina clássica através do seu procedimento racional.

Observavam o rigor do raciocínio diagnóstico e terapêutico, a tendência analítica que daí resultava, o cuidado concedido à preparação do medicamento e às circunstâncias que podiam modificá-lo.

O professor Mabit, uma sumidade da Escola de medicina de Bordéus, reconhece os êxitos da homeopatia na epidemia de cólera em 1832; o professor Jousset, medalha de ouro dos hospitais de paris, verifica a sua eficácia nas pneumonias.

Veio finalmente a pior das acusações – retomada ainda nos nossos dias para assimilar a homeopatia a uma seita – que consistia em assimilar a germanofobia da época à homeopatia: “A homeopatia não passa de uma pretensa reforma que, nascida como tantas outras no solo doentio da Alemanha, limita ao misticismo mais nebuloso e ao panteísmo mais material e apenas encobre uma dessas teses alemãs que só se baseiam na confusão.”

Para Olivier Faure – professor auxiliar de historia, responsável de investigação no Centro Nacional de Investigação Cientifica – se a homeopatia foi criticada desde a sua origem, foi mais por razões ideológicas do que cientificas. De facto, pensa que, “a homeopatia sofre principalmente por aparecer num momento em que a profissão médica se estrutura em corpo unificado capaz de falar com uma só voz e de impor o seu poder apesar das lacunas do seu saber.

É sobretudo porque ameaça este processo que a nova doutrina é combatida pela maior parte da corporação médica, mais preocupada com o seu prestígio social do que com a saúde dos seus doentes”.

 

Os partidários

Os partidários da homeopatia respondiam a estes argumentos que a sua terapêutica derivava da experimentação no homem são e das observações no homem doente, que a utilização de doses fracas resultava da experiência, que Hahnemann, o seu fundador, tinha-as utilizado para diminuir aquilo a que chamava e a que chamamos ainda “os efeitos secundários dos medicamentos”.

Na sua resposta escrita à Academia de medicina, os médicos homeopatas lembravam que antes do aparecimento desta terapêutica eram todos alopatas e que conheciam os seus perigos, que as — pretensas – experimentações efectuadas pelos seus colegas sobre a homeopatia eram feitas sem prática e na ignorância desta última.

Perguntavam qual era a parte da imaginação dos tratamentos homeopáticos nas crianças ou nos animais e reclamavam a abertura de um dispensário para poderem experimentar os medicamentos.

O próprio Hahnemann desejava vivamente que a homeopatia fosse experimentada e não rejeitada à priori. Clamava: “A homeopatia baseia-se unicamente nas experiências. Imitem-me, diz ela em voz alta, mas imitem bem, e verão a cada passo a confirmação daquilo que digo. […] A homeopatia pede-o com grandes gritos, quer ser julgada segundo os resultados.

Originally posted 2014-03-21 10:09:16.

Homeopatia para adelgazar 2 - Urologia

Urologia

Adenoma da próstata

Só poderá fazer este tratamento se o diagnóstico for feito pelo seu médico. Em todos os casos, deve absolutamente ir a uma consulta.
Tome sistematicamente:

  • Baryta carbónica 7CH: 2 grânulos ao levantar e ao deitar.
  • Pereira brava 6DH, nos adenomas da próstata acompanhados por vontades constantes e ineficazes de urinar, e de uma necessidade de fazer esforços para esvaziar a bexiga
  • Sabal serrulata 6DH, quando acorda muitas vezes durante a noite e o jato urinário é fraco e aos saltos.

Posologia: estes dois últimos medicamentos podem ser tomados sob a forma de uma preparado à razão de 20 gotas de manhã e à noite.
Acrescente:

  • Squilla marítima 7CH, se urinar muito e muitas vezes.
  • Contai maculatum 7CH, se urinar em várias vezes.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos ao levantar e ao deitar.

  • Lycopodium clavatum 9CH, nos sujeitos que respondem bem e que sentem vontades frequentes de urinar.

Posologia: 2 grânulos ao levantar.

Incontinência urinária

Para além dos medicamentos (Causticum, Kalium carbonicum, Equisetum hiemal) descritos no capitulo sobre a incontinência urinária da pessoa de idade, há dois medicamentos muito interessantes:

  • outra vez. Causticum 9CH, nas incontinências urinárias que aparecem a seguir a um esforço moderado nos sujeitos que respondem bem;
  • e Ferrum metallicum 9CH, nas incontinências urinárias que aparecem a seguir à tosse, esforços, ou espirros nos outros sujeitos.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos ao levantar.

Em geriatria, a homeopatia e indicada em numerosas outras áreas, entre as quais as perturbações psiquiátricas, que não desenvolvemos, porque necessitam de uma prescrição especializada.

A homeopatia integra-se no conjunto dos meios terapêuticos permitindo uma melhor qual dado de vida da pessoa de idade e um conforto maior do doente senil ou não.

A sua atividade exerce-se em todos os níveis, tanto na área preventiva como curativa (sozinha ou em associação). Para terminar, vamos insistir sobre o interesse geral desta terapêutica: eficácia, inocuidade, complementaridade.

Originally posted 2014-03-28 12:34:16.

fundo02 - Os Medicamentos

Os Medicamentos

Como são feitos?

No estado atual dos nossos conhecimentos, o principio de similitude não seria aplicável ao modo de fabricação do medicamento enaltecido por Hahnemann.

O medicamento homeopático e preparado a partir de uma solução liquida chamada tintura-mãe. Esta última é obtida através da maceração da substancia (uma planta por exemplo) em álcool (de 45º a 90º) durante três semanas.

A tintura-mãe é progressivamente desconcentrada até à obtenção das diluição desejadas. Entre cada diluição tem lugar a dinamização, ou seja, a agitação e a fricção das substâncias nas paredes do recipiente. O processo de fabricação termina-se pela impregnação de grânulos de lactose ou de sacarose.

As matérias-primas utilizadas em homeopatia são provenientes dos reinos animal, vegetal e químico. São, na maioria das vezes, recolhidas no estado bruto e não podem ser utilizadas tal e qual nos processos de diluição e de dinamização.

Por isso. são transformadas em princípios homeopáticos, ou seja, em substâncias de base que permitem a fabricação do medicamento homeopático. Por conseguinte, a primeira etapa é a modificação da matéria-prima em principio homeopático.

No geral, a base é uma tintura-mãe proveniente da maceração em álcool ou em água destilada de matérias-primas inicialmente solúveis. Para as matérias insolúveis, a base é um produto obtido através de trituração, ou seja, através do esmagamento da substância.

Originally posted 2014-03-24 16:41:13.

homeopatia1 - Interesse da Homeopatia

Interesse da Homeopatia

É difícil falar da geriatria e da homeopatia sem passar em revista toda a medicina. Por isso, vamos examinar a principais indicações médicas nas quais a sua atividade deve ser conhecida. Sabia no entanto que é indispensável, para se tratar, consultar um médico homeopata.

Originally posted 2014-03-28 11:49:30.