Artigos

pl660535 calcium silicon barium with powdered ca si alloy for nodular graphite melting - Baryta carbonica

Baryta carbonica

Origem

Baryta carbónica, o carbonato de bário, é uma substância tóxica que se apresenta sob a forma de um pó branco insolúvel na água e no álcool.

Indicações

Anginas a repetição

Crianças com amígdalas grossas, gangliões endurecidos e volumosos no pescoço.

Atraso das aquisições Intelectuais e físicas da criança

Aprende muito tarde a falar, a andar, a ler, e tem dificuldades escolares

Prevenção do envelhecimento

Nas pessoas que começam a apresentar perturbações da memória, e que raciocinam mais dificilmente.

Transpiração

Fria e fétida dos pés.

Adenoma da próstata

  • Se o diagnóstico já estiver feito

Hipertensão arterial

  • Sob controlo medico.

Baryta carbónica convém se

As modalidades forem:

  • Uma agravação com o frio, com o tempo húmido.
  • Melhoras com a solidão.

Os sujeitos que respondem bem a Baryta carbónica

Crianças lentas, tímidas, medrosas, que se escondem dos desconhecidos, e sujeitas a dificuldades escolares.

Adultos, parecem mais velhos do que a idade que têm; com uma inteligência abaixo da média, têm predisposição para uma senilidade precoce.

Posologia

Medicamento sobretudo das afeções crónicas, a dar durante um período prolongado (vários meses), não se esquecendo de espaçar as doses à medida que vai obtendo resultados.

Originally posted 2014-04-09 08:32:07.

Phytolacca acinosa - Phytolacca

Phytolacca

Origem

Phytolacca decandra, a uva da América, da família das fitolacáceas, é um arbusto vivaz originário da América do Norte.

Composição

Contém lectinas com propriedades antivirais (estimulação dos linfócitos B e T) e saponócidos fortemente anti-inflamatórios e antirreumatismais. A tintura-mãe é preparada a partir da planta inteira e dos frutos maduros.

Indicações

Anginas

  • As anginas com:
  1. as amígdalas vermelhas, escuras, dolorosas, e a garganta seca;
  2. uma dor viva que irradia até aos ouvidos quando engolimos, e aumenta quando bebemos quente.
  • As dores faríngeas, por vezes verdadeiras anginas, que aparecem num contexto gripal, ou seja, acompanhadas por dores no corpo e febre.

Gripe

  • Que aparece em tempo húmido e frio.
  • Com dores no corpo que pioram logo que o doente se mexe.

Faringite

Ou laringite dos oradores ou dos cantores que forçaram a sua voz.

Reumatismos, ciática direita

  • Com inicio e fim brutais, que pioram com o tempo frio e húmido, durante a norte.
  • As ciáticas do lado direito acompanhadas – num doente que se agita e se mexe em vão para tentar aliviar-se – por dores agudas fulgurantes na face externa da coxa.

Síndroma pré-menstrual

  • Com seios inchados, esticados, doridos, turgescentes antes da menstruação (mastose).
  • Nas mulheres que tem a menstruação dolorosa, abundante, muito próxima uma da outra.

Amamentação

  • Durante a mamada, os mamilos gretados, provocam dores intensas que a mulher sente no corpo inteiro.
  • O leite materno é muitas vezes espesso e insuficiente.
  • A seguir ao desmame, persiste um corrimento leitoso, aquoso.

Afeções oculares

  • Blefarites (inflamação na borda das pálpebras).
  • Terçolhos.
  • Calázios (quistos na pálpebra).

Phytolacca convém se

As modalidades forem:

  • Uma agravação com o tempo frio e húmido, durante a noite.

Originally posted 2014-04-11 11:24:29.

1280px Bieluń dziędzierzawa Datura stramonium Seed 01 - Stramonium

Stramonium

Origem

O estramónio, a Datura stramonium ou erva do diabo, da família das solanáceas, é uma planta da Europa principalmente tóxica cujas folhas podem ser confundidas com as dos espinafres ou das azedas.

Possui um poder alucinogénio que antigamente era apreciado pelos bruxos que a utilizavam nas suas beberagens dos sabás e «faziam ver o diabo»; o estramónio também foi um soporífico utilizado por uma quadrilha de bandidos parisienses, ditos «os adormecedores» que ofereciam às suas vítimas, antes de as roubarem, uma dose de tabaco misturado com um pó desta planta.

Composição

A sua toxicidade ó devida aos alcaloides – entre os quais a escopolamina, a atropina e a hiosciamina – que entram na sua composição. A tintura-mãe ó preparada a partir da parte aérea da planta em floração.

Indicações

Febre

  • Súbita e intensa, tão alta de manhã como à noite, 39º C – 40º C. acompanhada por:
  1. uma sede viva, uma vermelhidão intensa do rosto, suores que não aliviam o doente e uma sensação de frio no corpo todo principalmente nos membros;
  2. uma quebra importante, e/ou agitação psíquica, até mesmo delírios e convulsões;
  3. terrores noturnos, com necessidade de uma luz indireta e medo da luz forte;
  4. uma ausência de dor apesar da intensidade da febre.
  • Que se manifesta:
  1. Nas anginas com a garganta muito vermelha mas indolor, secura na boca e febre característica.
  2. Nas laringites com tosse indolor, espasmódica, sufocante.
  3. Nos golpes de calor, insolações.
  4. Na escarlatina.

Note o contraste entre a intensidade dos sintomas e a ausência de dores.
Este medicamento deve ser dado enquanto o médico não chega.

Terrores noturnos

Das crianças com medo do escuro que reclamam uma luz e a presença de uma pessoa para adormecerem.

Tiques

Violentos e indolores no rosto, que aparecem nos sujeitos com espasmofilia ou tetania.

Delírios e alucinações

Necessitam de uma consulta médica.

Stramonium convém se

Os fatores desencadeantes forem:

  • A escuridão.

As modalidades forem:

  • Uma agravação com a escuridão, com os reflexos brilhantes, a luz viva.
  • Melhoras com a luz difusa.

Posologia

Febres: Stramonium 15CH, de 10 em 10 minutos que deverá espaçar conforme as melhoras.

Originally posted 2014-04-14 11:10:06.

febre - Tratamento das Febres de Criança Parte II

Tratamento das Febres de Criança Parte II

Febres e diarreias

  • Arsenicum álbum 5CH, para as diarreias que aparecem num contexto de intoxicação alimentar. As fezes são irritantes e nauseabundas, e são acompanhadas por uma febre característica com sede intensa e repetida de pequenas quantidades de água.
  • Chamomilla vulgaris 5CH. nas diarreias com fezes amarelo-esverdeadas. com um cheiro fétido, que aparecem quando os dentes estão a romper.
  • Mercurius solubilis 5CH, nas diarreias com fezes esverdeadas, com vontade urgente de ir à casa-de-banho e a sensação de nunca mais acabar. A febre é elevada, a sede intensa, e a transpiração viscosa não alivia o doente.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Febres e rinofaringites

  • Mercurius solubilis 5CH: febre elevada com sede intensa, transpiração viscosa que não alivia, corrimento nasal irritante, e tosse seca durante a noite e grossa durante o dia.
  • Nux vomica 5 CH: febre que aparece num contexto gripal, com arrepios e sede por altura das subidas térmicas, nariz seco e entupido durante a noite. Espirros irrepressíveis ao acordar.
  • Pulsatilla 5CH: febre moderada sem sede, transpiração, corrimento nasal doce, tosse seca durante a noite e grossa durante o dia.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Febre e anginas

Com dores nas amígdalas

  • Lycopodium clavatum 5CH, quando a dor vai da direita para a esquerda.
  • Lachesis mutus 5CH, quando a dor vai da esquerda para a direita.
  • Lac caninum 5CH, quando a dor muda de lado.
  • Mercurius solubilis 5CH, Phytolacca 5 H, quando a dor se espalha até aos ouvidos.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Febre e gripe

  • Arnica montana 5CH.
  • Eupatorium perfoliatum 5CH: febre com sede intensa e dores nos globos oculares.
  • Gelsemium sempervirens 5CH: febre sem sede, com uma grande fraqueza e tremores.
  • Nux vomica 5CH: febre que aparece a seguir a uma constipação, com muita sede, acne da febre, arrepios e dores no corpo que pioram de noite.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Febres e doenças infantis

  • Sarampo: Belladonna 5CH.
  • Varicela: Rhus toxicodendron 5CH.
  • Escarlatina: Apis mellifica 5CH.
  • Papeira: Apis mellifica 5CH.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Originally posted 2014-04-02 13:59:45.

mesoterapia 1 - Anginas Parte I

Anginas Parte I

A angina, ou a faringite, é uma inflamação aguda das amígdalas e da faringe que aparece principalmente entre os dois e os quarenta anos.

É provocada por uma infeção viral em 60 a 80% dos casos e por uma bactéria nos 20 a 40% restantes. A regra em França – embora a origem viral seja mais frequente – é tratar sistematicamente as anginas com antibióticos.

Nos Estados Unidos, a conduta é oposta visto que os antibióticos só são utilizados quando um exame médico à garganta provou a origem bacteriana da angina. Esta atitude parece ser a atitude do futuro, visto que os peritos franceses reconhecem a sua conformidade desde que os poderes públicos exigiram economias.

Segundo as mesmas fontes, o custo destas prescrições (pelo menos cinco milhões) inúteis de antibióticos é de aproximadamente quinhentos milhões de francos.

Diagnóstico

  • A angina traduz-se por uma dor na garganta, dificuldades para engolir, muitas vezes febre, por vezes arrepios e cefaleias.
  • Sem que seja a regra, no geral admitimos que a angina virai está normalmente associada a uma síndroma gripal ou a um ataque difuso do aparelho respiratório.
  • Por seu lado, a angina bacteriana é normalmente mais dolorosa e associada a volumosos gangliões no pescoço.
  • No entanto, estes critérios não são suficientes para afirmar a origem virai ou bacteriana, que só poderia ser confirmada com um exame médico na garganta.

Principais complicações

São provocadas pelo estreptococo beta-hemolítico, que é o germe mais frequentemente responsável pelas anginas bacterianas. É a causa de reumatismo articular agudo, ele próprio na origem de complicações renais e cardíacas.

As complicações da angina dizem essencialmente respeito às pessoas com menos de vinte e cinco anos e justificam um tratamento de antibióticos (penicilina) nas anginas bacterianas. Para alem desta idade, já não há risco de reumatismo articular agudo.

Tratamento

Sistematicamente ao princípio

  • Mercurius solubilis 5CH: medicamento da verdadeira angina, com as amígdalas vermelhas ou cobertas de pontos brancos. A dor ao engolir (a disfagia) é intensa, mau hálito, salivação abundante. A febre elevada é acompanhada por uma grande sede, arrepios e suores noturnos que não aliviam o doente.
  • Belladonna 5CH, quando a garganta e as amígdalas estão vermelhas. A língua e de um vermelho cor de framboesa, a disfagia é intensa A temperatura elevada é acompanhada por uma grande sede, afrontamentos, vermelhidão no rosto, uma transpiração abundante e um profundo desalento.

Posologia: ao princípio de qualquer dor de garganta, tomará estes medicamentos de 2 em 2 horas, durante 2 dias; depois a escolha entre estes últimos e os seguintes será em função da evolução.

Depois conforme o aspeto das amígdalas

Nas anginas “vermelhas”

As amígdalas estão vermelhas, tome:

  • Apis mellifica 5CH, se as amígdalas pálidas estiverem inchadas, se a úvula estiver “pendurada corno um saco cheio de água”. As dores ao engolir, ardentes e como se fossem picadas, melhoram com bebidas geladas. A temperatura é elevada, não há sede, expecto durante os adeptos, a pele seca e vermelha é entre-cortada de transpiração.

Acrescentará à Belladonna e ao Mercurius solubilis:

  • Phytolacca 5CH, ao contrário, se as amígdalas estiverem vermelho-escuro, mas sobretudo se a angina aparecer num contexto gripal (dores no corpo, tosse, rinofaringites). A garganta está seca, as dores ao engolir vão até aos ouvidos e pioram com bebidas quentes.

Substituirá Belladonna por:

  • Stramonium 7CH, se a garganta estiver vermelha, mas indolor. Para este medicamento, a temperatura elevada, a sede viva, o rosto vermelho, acompanham suores abundantes que não aliviam o doente.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias depois, 3 vezes por dia durante 6 dias.

Nas anginas “brancas”

Nas anginas “brancas”, as amígdalas tem pontos brancos, acrescentará à Belladonna e ao
Mercurius solubilis:

  • Mercurius cyanatus 5CH nas anginas brancas com febre moderada, gangliões volumosos no pescoço e mau estado geral Antes do aparecimento dos antibióticos, era o medicamento das anginas diftéricas; aliás, mantém-se interessante, nesta indicação em complemento dos tratamentos clássicos

Posologia 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias. depois 3 vezes por dia durante 6 ti ias.

Originally posted 2014-03-27 12:20:09.