szociálisgondozó1 1024x682 - Reumatologia

Reumatologia

A homeopatia tem uma grande eficácia nas dores crónicas. Associada à acupunctura e às manipulações vertebrais, evita recorrer precocemente aos anti-inflamatórios e aos corticoides e permite, de uma maneira segura, diminuir as doses destas substâncias quando a sua utilização é dispensável. Isto é ainda mais interessante porque as dores reumatismais aparecem antes de mais nas pessoas de idade, portanto mais sensíveis, juntamente com as crianças, aos efeitos dos medicamentos.

De facto, os sujeitos de idade têm muitas vezes outras doenças tornando ilusória ou impossível a utilização prolongada de anti-inflamatórios, por exemplo quando o doente apresenta antecedentes de ulceras gastroduodenais, ou tem de tomar anticoagulantes para uma afeção cardíaca, ou então quando tem problemas renais ou hepáticos severos. Nos sujeitos mais jovens, tomar anti-inflamatórios nem sempre é fácil ou possível, assim, por exemplo, diminuem a eficácia contracetiva das mulheres que usam um dispositivo intrauterino (DIU).

Para além disso, ainda não há muito tempo, sabemos que tomar anti-inflamatórios prolongadamente agrava o problema cartilaginoso, estes últimos só devem ser tomados quando houver crises. Assim, a homeopatia, a acupunctura, as manipulações vertebrais, os tratamentos termais deveriam ser terapêuticas de primeira intenção nas afeções reumatismais degenerativas (provocadas peto envelhecimento) agudas ou crónicas.

De facto, a eficácia e a inocuidade destas técnicas, e os riscos potenciais dos tratamentos clássicos fazem destas últimas medicações de segunda intenção. Não por um dogmatismo mal situado, mas numa visão a longo prazo que visa graduar as respostas terapêuticas à dor do doente, ou seja, utilizar terapêuticas adaptadas â sua dor. Para além disso, o uso abusivo de anti-inflamatórios ao mais pequeno sofrimento em termos de beneficio-risco é negativo para o doente e limita o arsenal terapêutico do médico que não tem rapidamente outros recursos a não ser utilizar a cortisona.

Originally posted 2014-04-08 08:35:56.

DSC 0223 - Atrose

Atrose

A artrose é uma doença benigna, mas dolorosa e invalidante, que constitui um problema de saúde pública devido à sua frequência — 3,5% dos motivos de consulta. 5% da população dos cinquenta e cinco aos sessenta e cinco anos —, ao seu custo e ao envelhecimento da população (mais de 28% da população terá ultrapassado sessenta anos no ano 2020).

É a doença articular mais frequente, principalmente nas pessoas de idade, visto que 80% dos sujeitos com mais de setenta anos apresentam sinais de artrose nas radiografias.

O que é?

A renovação da cartilagem articular é feita pelas suas próprias células (os condrócitos) que mantém um equilíbrio entre a sua formação e a sua destruição. A rutura deste equilíbrio está na origem da artrose.

Esta “condropatia fissuraria” provoca alterações nas funções biomecânicas de deslize, de elasticidade e de amortização da cartilagem que acabam por fazer sofrer toda a articulação. Implantam-se então dores ligamentares, musculares, ósseas que complicam a terapêutica.

É por isso que o tratamento tanto deve englobar a alopatia como a homeopatia, a fitoterapia, a oligoterapia, a acupunctura, as manipulações vertebrais, a cinesiterapia, a fisioterapia. Cada uma destas terapêuticas possui ações eficazes e complementares que variam conforme as fases da doença.

Diagnóstico

A artrose pode ser isolada ou englobar o conjunto das articulações; a sua evolução e progressiva ou rápida.

O primeiro sinal da artrose é a dor. Esta última é em primeiro lugar mecânica, ou seja, acalma com o repouso ou com a continuação do movimento, e começa ao levantar ou durante o arranja da articulação. Fica mais ou menos encoberta durante o dia, aumenta com os esforços, é maximal no fim do dia e cede se o sujeito se repousar ou deitar e de noite.

A seguir, toma-se crónica e obriga, ao levantar ou após um repouso prolongado, a um arranque — um tempo de desenferrujamento — mais ou menos longo das articulações dolorosas. Este arranque é acompanhado por estalidos articulares primeiro indolores, depois dolorosos à medida que a doença progride. Aparece um inchaço na articulação durante as crises (principalmente no joelho). Bastante mais tarde, a dor aparece durante a noite quando mudados de posição na cama.

A artrose pode aparecer ou durante um processo normal de envelhecimento, ou a segura a um traumatismo articular ou movimentos repetitivos excessivos na prática de um desporto ou de uma profissão (trabalhadores de força). As articulações atacadas mais vezes são as ancas, os joelhos e as pequenas articulações dos dedos.

Originally posted 2014-04-08 08:51:47.

agenuspdornascostasfotomarcossantos003 - Tratamentos Complementares das Artroses

Tratamentos Complementares das Artroses

Acupunctura

Tem uma ação antálgica incontestável e deve ser o primeiro recurso contra a dor, antes da utilização de anti-inflamatórios. Se estes últimos forem indispensáveis, o tratamento por acupunctura permite diminuir as doses e portanto tomá-los mais suportáveis.

Fitoterapia

A cavalinha, a sílica, o harpagophytum, são as plantas mais utilizadas nesta indicação

Oligoelementos

O manganês, o cobalto, o magnésio, o potássio, o enxofre, o cobre, o ouro, são os principais oligoelementos utilizados em complemento nos tratamentos da artrose, o fósforo também faz pane no caso de contracturas musculares.

Antálgicos e anti-inflamatórios

Serão um recurso se os tratamentos precedentes forem insuficientes; do mesmo modo as infiltrações e a cirurgia se necessário.

Cinesiterapia

Evita a fundição muscular, a anquilose e o hábito de atitudes viciosas. É adaptada em função das articulações atingidas e também luta contra a rigidez muscular concomitante. A reeducação funcional será empreendida com discernimento.

Manipulações vertebrais

As técnicas (osteopatia, quiropractia) são diferentes. É indispensável um diagnóstico médico antes de as começar. É necessário evitar praticá-las em períodos de crises intensas.

Tratamentos termais

Os doentes retiram um grande benefício deste tratamento, principalmente os doentes com poliartrose (várias articulações atingidas).

Originally posted 2014-04-08 09:42:43.

torcicolo dor pescoco cervicalgia1 - Torcicolos

Torcicolos

O torcicolo corresponde a um espasmo doloroso do músculo esterno-cleido-mastoidiano. Ataca mais as mulheres do que os homens sobretudo entre trinta e sessenta anos.

Diagnóstico

O torcicolo manifesta-se brutalmente através de uma dor viva no pescoço com uma quase impossibilidade de fazer o mais pequeno movimento. Normalmente é unilateral e pode aparecer espontaneamente ou a seguir a um estorço, a um traumatismo, a um movimento em falso, ou a uma posição pouco habitual e prolongada do pescoço.

Tratamento homeopático

Tome sistematicamente os três medicamentos seguintes:

  • Actea racemosa 5CH.
  • Lachnantes 5CH.
  • Paris quadrifolia 5CH.

Se o torcicolo aparecer a seguir a um traumatismo, acrescente, enquanto não vai a uma consulta. Arnica montana 9 CH. Faça o mesmo se o torcicolo aparecer a seguir a um movimento em falso ou a um esforço.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias, depois 3 vezes por dia durante 6 dias.

Tratamentos complementares

A atividade antálgica da acupunctura já não precisa de ser demonstrada nesta indicação, do mesmo modo que a eficácia das manipulações vertebrais que serão sempre feitas depois de um controlo radiográfico da raque cervico-dorsal prescrito pelo médico.

Originally posted 2014-04-08 11:03:58.

DSC 0040 - Tratamento das Artroses Parte II

Tratamento das Artroses Parte II

Em função dos movimentos

Dores que melhoram logo com o movimento

  • Dulcamara 7CH.
  • Kalium iodatum 7CH é um medicamento de artrose evoluída, na qual as dores intensas pioram durante a noite e com o calor. O movimento (necessidade de se mexer) e o grande ar melhoram o estado do doente. As articulações mais atingidas são os joelhos, os calcanhares e os dedos grandes do pé.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 3 vezes por dia enquanto não vai a uma consulta.

Dores que melhoram depois de uma agravação passageira

Trata-se de sujeitos cujas dores pioram no início do movimento, durante o arranque da articulação, mas melhoram a seguir:

  • Rhus toxicodendron 7CH.
  • Calcarea fluorica 7CH é indicado quando a artrose é a consequência de um traumatismo da articulação ou de entorses a repetição. As dores pioram com o repouso, no início do movimento e com a humidade, e melhoram com o movimento contínuo e com o calor.
  • Radium bromatum 7CH refere-se às pessoas cujas dores — principalmente na raque lombar, sacro e joelhos — são acompanhadas por uma necessidade de se esticar, a uma sensação de fraqueza e de rigidez nestas regiões e nos membros inferiores.
  • Tuberculinum residuum 7CH, se o arranque matinal for doloroso e ficar aliviado coma continuação do movimento. Atua bem associado a Rhus toxicodendron, embora as dores, que podem atingir todas as articulações, sejam indiferentes à humidade.
  • Natrum sulfuricum 7CH.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 3 vezes por dia enquanto não vai a uma consulta.

Dores que pioram com o movimento

  • Bryonia alba 7 CH é o medicamento das dores e das crises de artrose crónica que aumentam com o mais pequeno movimento, e acalmam com o repouso. Estas dores agudas em pontadas, pioram com o mais pequeno toque, com o frio local. Melhoram com a pressão forte da articulação atingida e com o calor local.
  • Ledum palustre 7 CH é um medicamento de artrose e de gota. As articulações frias e violáceas são o centro de dores que se assemelham a picadas, dilacerantes, que evoluem sucessiva e progressivamente dos pés à cabeça. Os sujeitos apresentam dores que pioram com o movimento, durante a noite e com o calor local ou o da cama. O repouso e o contacto com o frio aliviam-nas.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 3 vezes por dia enquanto não vai a uma consulta.

Originally posted 2014-04-08 09:33:42.