pregnant lady

O parto é um momento difícil porque, após ove meses de vida intra-uterina, o feto vai separar-se do organismo materno. Este fenómeno fisiológico que termina no nascimento da criança é delicado para esta última e para a mãe.

Há aproximadamente 800.000 nascimentos por ano.

Definição

O parto põe um termo à gravidez e termina-se pelo nascimento da criança. Alguns dias antes as contrações tornam-se mais frequentes mas são irregulares.

O parto propriamente dito é precedido pelo trabalho. Este último consiste numa série de contrações do útero ritmadas e progressivamente dolorosas até à saída da criança. O trabalho dura em média doze a quinze horas para a primeira gravidez e seis a oito horas pau seguintes.

Principais complicações

São da competência do obstetra.

Interesse da homeopatia

Antes do Parto

  • Actea racemosa 9CH acalma a inquietude, a agitação e a ansiedade das mulheres no mês que precede o parto.

Posologia: 2 grânulos ao levantar e ao deitar.

  • Arnica montana 15CH limita o traumatismo físico ligado ao parto.

Posologia: uma dose por semana no mês que precede o parto.

  • Caulophyllum 5CH, se sentir, nos últimos dias da gravidez, falsas dores de trabalho, cãibras, espasmos.

Posologia: 2 grânulos 3 vezes por dia se necessário.

Durante o parto

Conheça as contrações

Se estas últimas são irregulares, dolorosas e quando o trabalho se prolonga deve tomar:

  • Actea racemosa 9CH, se a sua excitação metal se manifestar atraves de uma tagarelice incessante.
  • Caulophyllum 5CH, se o trabalho for lento e as contrações muito fortes, curtas, irregulares, incessantes. Acelera a dilatação do colo.
  • Gelsemium sempervirens 5CH deve ser associado aos dois medicamentos precedentes.

Posologia: nestes casos, dado as circunstancias, utilizamos alternada ou concomitantemente Actea racemosa 5CH, Caulophyllum 5CH e Gelsemium sempervirens 5CH. As doses são ritmadas e são muito frequentes.

Acalme-se

Podem ser úteis:

  • Aconitum napellus 9CH, quando a ansiedade e o medo da morte predominam durante o parto: pede aos gritos para que a aliem.
  • Actea racemosa 9CH, se fizer parte daquelas que não param de falar durante o parto.

Posologia: 2 grânulos conforme a necessidade para se acalmar.

Depois do parto

Para ajudar a expulsão da placenta

A “libertação”, ou seja, a expulsão da placenta durante a última parte do trabalho, produz-se graças às contrações que vêm a seguir à saída da criança. A expulsão faz-se naturalmente na maioria das vezes logo a seguir ao parto. Se não for esse o caso. acelere as contrações tornando em conjunto os três medicamentos seguintes:

  • Actea racemosa 5CH.
  • Caulophyllum 5 CH.
  • Gelsemium sempervirens 5CH.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos de 3 em 3 minutos 5 vezes de seguida.

Se a expulsão não tiver lugar nos três quartos de hora que se seguem, o obstetra deve intervir manualmente para descolar a placenta e retirá-la do útero.

Depois de uma episiotomia ou uma cesariana

Tome em conjunto os três medicamentos seguintes:

  • Arnica montana 5CH.
  • Staphysagria 5CH é um medicamento das feridas lancinantes, nítidas, cirúrgica associar sistematicamente a Arnica montana nesta indicação.
  • Pyrogenium 5 CH previne uma eventual infeção.

Posologia (para todos estes medicamentos): 2 grânulos 3 vezes por dia sistematicamente depois de uma episiotomia até à cicatrização.

No caso de cefaleias depois de uma epidural

  • Natrum sulfuricum 15CH: uma dose a seguir ao parto até mesmo preventivamente permite evitar as dores de cabeça que aparecem depois de uma epidural. Volte a torna uma dose duas horas mais tarde se o resultado for insuficiente.
  • Hypericum perforatum 15CH é indicado quando as cefaleias estão associadas a dores lombares à volta da picada.

Posologia: uma dose do medicamento mais indicado logo no começo das perturbações, 2 grânulos 5 vezes por dia durante 2 dias.

Originally posted 2014-03-31 14:31:42.

Comments

comments