placebo

Recentemente ainda, uma consulta mais longa no medico homeopata, um auscultação melhor deste ultimo, um seguimento global o individuo foram muitas vezes elemento invocados pelo detratores e pelos partidários da homeopatia para explicar a sua suposta ou real atividade.

Os primeiros atribuindo a sua real atividade ao próprio medicamento cuja receito receita toma também em consideração destes elementos.

De facto, o problema não esta ai, porque não pensamos que estes elementos seja específicos a um tipo especial de medicina ou de médico. Os efeitos placebo são globalmente idênticos em relação ao que existe entre um medico e o seu paciente, seja qual foi a terapêutica utilizada.

Se a eficácia da homeopatia só estivesse ligada a uma consulta mais longa, e a maneira de receitar do medico poderíamos objetar seguramente o argumento seguinte: então por que razão os médicos alopatas não otimizam, com tão poucos custos, o seu próprio efeito placebo?

Para além disso, os médicos que praticam a alopatia estão tão convencidos da eficácia de todos os seus tratamentos como os médicos homeopatas.

Um único estudo suficientemente falante prova-o. Por ocasião da chegada de um “medicamento milagroso” contra a asma. um medico alopata submeteu uma das suas pacientes a um teste rigoroso.

Sempre que tinha um crise de asma, dava à sua paciente, com conhecimento da causa, umas vezes o medicamento, outras vezes o placebo. Obteve êxitos sempre que administrava o medicamento, e fracassos quando dava o placebo.

Quando levou os seus resultados ao laboratório farmacêutico, disseram-lhe, com grande
surpresa sua, que lhe tinham sempre enviado o placebo.

A sugestão inconsciente do médico, a tua convicção na eficácia do tratamento tinham sido o suficiente para aliviar as crises de asma da sua paciente.

É inegável que o efeito placebo tem uma importância considerável na relação entre o médico e o doente. 0 medicamento representa a ligação entre o doente e o médico. Seja qual for a sua atividade, tem um efeito placebo ligado ao ato médico.

O doente vai ver um médico para se curar, o medicamento simboliza a senha que permite passar da doença para a cura.

O próprio ato médico representa a esperança de cura para o doente é por isso que medicamentar não é indispensável para curar ou para acalmar fortemente um doente.

Quando uma dor intensa perto do peito o perseguiu durante várias noites, obrigando-o a marcar uma consulta para finalmente, revelar-se como uma banal dor intercostal, o alívio que resulta daí é imediato e diminui pelo menos para metade a dor que sentia. E isto. quer vá consultar um médico generalista homeopata ou não, a sensação de bem-estar é a mesma.

Através destes poucos factos e reflexões, entendemos que o efeito placebo é inerente a qualquer ato médico, e que não e dissociável deste ultimo, seja qual for a terapêutica utilizada.

Não podemos atacar a homeopatia sobre o terreno para argumentar contra a sua ineficácia, porque o efeito placebo é o mesmo em alopatia. Se nos responderem o contrário, isso subentende que os homeopatas são melhores médicos do que os seus colegas alopatas, o que é lisonjeador mas sem fundamento.

Se neste capitulo falámos, várias vezes, da alopatia. foi antes de mais para provar que o efeito placebo é inerente a qualquer terapêutica, incluindo alopatia e homeopatia.

A propósito disso é característica a atitude da indústria farmacêutica alopática que dá cores aos comprimidos desde que verificou que as suas atividades terapêuticas eram bastante melhores com este artificio.

As cápsulas verdes seriam mais eficazes do que as vermelhas ou amarelas os ansiosos, por exemplo Mas devemos censura-los por isso? Seja como for, é uma critica que não pode ser feita aos medicamentos homeopáticos!

Originally posted 2014-03-24 11:23:22.

Comments

comments