medicina - O Sinal Homeopático

O Sinal Homeopático

O médico homeopata tem a sorte de poder tratar muitas vezes com êxito, graças a um procedimento terapêutico especial, as doenças que entram ou não, através da noção de globalidade, num conjunto característico.

Tal como já vimos, o médico clássico só se preocupa com os sanais interessantes para o diagnostico em vista da terapêutica. Por seu lado, uma vez feito o diagnóstico, o médico homeopata procura os sinais clínicos habitualmente deixados de lado pela semiologia clássica, e valoriza-os, porque estes últimos são a base para encontrar o medicamento homeopático.

Vamos dar um exemplo normalmente, a suspeição de úlcera gástrica baseia-se na presença de cãibras de estômago que aparecem após as refeições e que duram de trinta minutos a duas horas. As dores evoluem através de crises de uma a três semanas.

Os outros sinais apresentados pelo doente – irradiações da dor, condições de desencadeamento ou de melhoras desta última – confirmam o diagnóstico, que será afirmado pela fibroscopia.

No entanto, não têm qualquer interesse terapêutico para o médico clássico, a não ser por vezes a prescrição de ansiolíticos ou de outros medicamentos a fim de tomar em consideração a personalidade do paciente.

O médico homeopata seguirá o mesmo procedimento mas não deve negligenciar estas informações, porque são indispensáveis à sua prescrição. Procurará indicações:

Sobre a própria úlcera:

  • as modalidades (as condições) de melhoras ou de agravação da dor através de uma posição, de alimentos, quente ou frio (aplicado ou engolido);
  •  os sinais de acompanhamento náuseas, vómitos, diarreias. os sinais fibroscópicos.

E sobre o doente: procurará os sinais gerais que permitem determinar o seu reacional geral, o seu terreno.

Originally posted 2014-03-25 15:20:04.

Aree d’intervento - O que é um sinal homeopático?

O que é um sinal homeopático?

Destas indicações sobressairão os sinais ditos “sinais homeopáticos”. Estes últimos são noções alargadas que englobam:

Os sintomas da doença

Ou seja, indicações úteis para o diagnostico de uma doença. Um sintoma com um elemento distintivo característico torna-se um sinal homeopático de grande valor. Um sujeito cujo medicamento será Colocynthis (a coloquintida) apresentará – para além dos sinais clássicos de úlcera sinais homeopáticos que permitirão a sua prescrição. Assim, a úlcera será caracterizada:

  • pela violência da dor;
  • pelo seu aparecimento brutal;
  • pela sua natureza, por cãibras intensas;
  • pelo seu modo de desencadeamento ou de agravação por uma fúria, um vexame;
  • pelas suas modalidades locais: melhoras ao carregar com força no estômago, ou dobrado ao meio. e com o calor;
  • pelas suas modalidades gerais: agitação muito importante durante a dor.

O doente

Um sinal é homeopático porque é descoberto através da experimentação no homem são. E desaparece no sujeito doente.

Por exemplo: a dor de uma úlcera do duodeno é caracterizada por dores no epigastro (parte superior do abdómen situada sob o esterno que corresponde, em profundidade, aproximadamente ao estômago), cãibras de estômago, ritmadas pelas refeições (ou seja, aparecem entre uma e quatro horas após as refeições e acalmam com a alimentação).

O conjunto destes sintomas é típico da doença ulcerosa (que será obrigatoriamente confirmada pela fibroscopia), mas não permite a prescrição de um medicamento homeopático.

A escolha deste medicamento depende dos sinais homeopáticos que foram encontrados; por exemplo: a violência das cãibras, o seu desencadeamento através de uma fúria, as suas melhoras quando carrega com força no estômago ou quando está dobrado ao meio, e a agitação geral do paciente orientarão para o Colocynthis.

O medicamento

De facto, o sinal homeopático existe, porque a experimentação no voluntário são ou a intoxicação pelo Colocynthis produziu as mesmas dores epigástricas, e/ou a sua administração suprimiu os sinais que tinham aparecido durante a úlcera ou revelou-os no homem são e sensível. Ê

É por isso que a prescrição do medicamento homeopático depende da presença dos sinais homeopáticos.
A semiologia propriamente homeopática permite, através de um interrogatório diferente, reunir os sinais homeopáticos – ou sinais da reação individual do doente à doença – a fim de extrair diretamente os elementos necessários à prescrição do ou dos medicamentos homeopáticos.

O outro objetivo da homeopatia consiste em reconhecer os modos reacionais gerais a fim de elaborar uma terapêutica de fundo, ou seja. tratar o terreno.

Lembramos que a descoberta de uma diátese num sujeito – assimilada por extensão ao modo reacional geral – é afirmada pela presença de pelo menos três destes sinais: um sinal etiológico e dois sinais gerais.

Originally posted 2014-03-25 15:34:49.

url - Como reconhecer um sinal homeopático?

Como reconhecer um sinal homeopático?

Assim, entende-se que um sintoma banal só se toma um sinal homeopático quando é qualificado, individualizado, reconhecido. A qualificação traduz o modo de reação do organismo face à doença.

As modalidades

As modalidades permitem reconhecer um sinal homeopático. Transformam um sintoma em sinal homeopático graças ao reconhecimento das suas circunstâncias de melhoras e de agravação.
Correspondem a variações das reações individuais, locais ou gerais, em função de condições diversas e precisas.

Para lembrar:

Uma dor será qualificada:

pela sua natureza: queimadura, picada, guinada, contusão, etc;
pela sua localização:
geral (lateralizada), dores articulares do lado direito por exemplo;
ou mais precisa, quando ataca uma articulação especial;
pelas suas irradiações: centrifuga ou centrípeta, para uma dor nevrálgica.
pelo seu modo de aparecimento ou de desaparecimento, brutal ou não;
pelo seu ritmo, o seu ciclo horário, diário, hebdomadário, sazonal:
pelas suas circunstâncias de aparecimento.
pelas suas modalidades, ou seja, as suas circunstâncias de melhoras ou de agravação.

Distinguimos as modalidades gerais das modalidades locais:

as modalidades gerais dizem respeito ao conjunto das reações gerais do organismo e do individuo face à doença. Participam fortemente no reconhecimento de um modo reacional e portanto na prescrição do ou dos medicamentos de terreno nas doenças crónicas;
as modalidades locais, quando são extremamente marcadas, podem ter as mesmas indicações. Habitualmente, interessam um sintoma e são muito úteis nas doenças agudas, porque a sua precisão permite uma prescrição fácil.

As modalidades gerais

Justificam as variações do comportamento lace a agressões exteriores, tais como por exemplo o tempo, a alimentação, a posição no espaço.

Eis um pequeno questionário que lhe permitirá compreender concretamente do que se trata.

  • Quais são as minhas reações ao frio e ao calor?

Tenho facilmente frio?

Vsto uma quantidade de roupa por cima uma da outra?
Ou ao contrário, tenho sempre calor?

Tenho só uma camisa -vestida que ao passo que pulôver casaco e sobretudo não são o suficiente para os outros, de tal maneira o tempo e glacial?

Na minha cama. procuro um lugar fresco para os meus pés?

Ou, pelo contrario encosto os pés gelados aos pés quentes do meu cônjuge?

• Quando e onde estou melhor ou muito mal?

O clima, o lugar a a estação são elementos a tomar em consideração para encontrar o medicamento homeopático.

Qual é o cama que me convém?

Os meus reumatismos fazem-me sofrer menos com o tempo seco?
Não suporto o calor, nem o sol,
O mínimo frio seco provoca-me uma enxaqueca?
Sinto que o tempo vai mudar porque me dói o joelho.
Respiro melhor porque o tempo esta mas ameno.

Quando a minha enxaqueca começa da manha, sei que só acabara à noite depôs de ter sido muito dolorosa ao meio-dia.

Onde é que me sinto melhor?

Nunca vou a beira-mar porque as minhas crises de asma recomeçam sistematicamente.
Durmo sempre muro mal na montanha.

Quando é que me sinto mais em forma?

Não suporto o Inverno porque o meu eczema piora.

Nunca mais vem a Primavera para me sentir melhor moralmente!

O Inverno está a chegar e as minhas does tambem!

Tenho cada vez mais dificuldades para me sentir ativo de manha.

Se ma desse ouvidos, não me ia deitar.

Devemos estar perto do meio-dia tenho o estômago a dar horas.

Pronto, é a hora da minha sesta!

São dezoito noras, chegou o meu ataque de cansaço!

Deus queira que não acorde, como de habito, às três horas da manha…

O Rafael tem outra vez lombrigas, é a Lua Cheia!

  • Qual é a posição que me alivia?

Quanto tenho asma. estou melhor sentado e inclinado para a frente.
E eu sinto-me melhor deitado de barriga para baixo.
Dobro a minha perna por cima da coxa para acalmar a minha ciática.
As minhas dores de menstruação acalmam-se quando me dobro ao meio.

  • Não suporto alguns alimentos

Não consigo digerir as ostras.
E eu as batatas, os feculentos, as couves.
Detesto alimentos gordurentos
Não suporto a chucrute
Adoro os doces, mas provocam-me ardores no estômago

  • Como é que reajo face a certos acontecimentos

Não suporto ser consolado
Fico doente por não lhe ter dito o que pensava.
O facto de me zangar aliviou-me. Afinal de contas, ele bem o mereceu!

  • Bloquear um corrimento.

O meu nariz já não pinga, mas que dores de cabeça vou ter!
Nunca mais chega amanhã para a minha menstruação começar verdadeiramente, pois sinto-me logo melhor!

As modalidades locais

São características de um fenômeno localizado, como a dor por exemplo. Também são definidas pelas circunstancias de melhoras ou de agravação:

  •  o quanto, o frio;
  •  a pressão, o movimento;
  • a posição

Exemplo: Bryonia alba é indicado para as dores articulares que pioram com o mais pequeno movimento, o mais pequeno toque, o frio local, e memoram com o repouso, uma pressão forte na respetiva articulação e o calor local.

Originally posted 2014-03-25 16:02:29.

placebo - O Exame Médico

O Exame Médico

O exame médico, orientado pelas informações fornecidas pelo doente, permite procurar os sinais patológicos e patognomónicos da doença, e o estudo dos sinais homeopáticos objetivos, com a intenção de confirmar a escolha do medicamento.

Uma vez estabelecido o diagnóstico da doença, o médico homeopata vai portanto explorar os sinais homeopáticos objetivos nesta ótica. O exame do doente é completo nas doenças crónicas, mais limitado nas doenças agudas.

Quanto à duração da consulta, depende mais dos problemas que se encontraram do que da procura do medicamento. A duração prolongada de uma consulta não é sinônimo de competência.

Em contrapartida, o procedimento correto de um interrogatório, de um exame clínico, a clareza de uma receita e dos resultados terapêuticos são-no.

Estes diferentes aspetos associados a outros, que já lhe foram dados, vão permitir-lhe escolher o seu terapeuta, sabendo manter-se paciente e tolerante, porque, como sabe, a medicina é uma arte inexata, difícil e cheia de estratagemas.

A análise dos exames complementares fornece por vezes outros elementos que ajudam a diagnosticar o medicamento. Isso é menos conhecido.

Originally posted 2014-03-26 09:54:17.

O que é o luetismo?

O luetismo, ou modo reacional luético, é considerado como o modo reacional:

  •  inicial do individuo, quando anomalias genéticas ou congénitas subnormais predominam;
  • terminal das diáteses psóricas e sicóticas, quando o ataque dos órgãos prevalece.

Sujeitos predispostos

Aviso:
O quadro do modo reacional luético apresentado aqui é caricatural. Felizmente que só raramente se manifesta sozinho; está por vezes presente a mínima nas crianças perfeitamente equilibradas que apresentam, por exemplo, formas menores de insónias, dificuldades escolares e uma agitação física excessiva.

Os sujeitos predispostos são na maioria das vezes instáveis nervosamente e sentem dificuldades para conseguirem uma vida regular. Esta instabilidade manifesta-se através de um excesso na vida profissional.

De facto, a sua grande capacidade de trabalho, aliada a uma inteligência viva, contrasta com períodos prolongados de inatividade ou de lentidão intelectual.

Do mesmo modo, a sua imaginação criadora é por vezes desperdiçada por uma análise deficiente e uma dispersão de ideias. O medo da noite pode estar na origem de uma agitação noturna e de insónias difíceis de tratar.

Fisicamente, o sujeito apresenta por vezes, com mais ou menos intensidade, uma e/ou outra
das imperfeições seguintes: olhos vairões (olhos de cores diferentes), genu velgum (joelhos virados para fora), pés chatos, uma hiperlassidâo ligamentar (entorses a repetição, luxações fáceis) e
anomalias dentárias.

Muitas vezes, o desenvolvimento psicomotor do bebé é ligeiramente retardado. A criança, por vezes sobredotada, torna-se, num meio desequilibrado, caracterial, agitada, instável, má aluna, muito fraca em matemática. Quanto ao adolescente, no mesmo meio, pode tomar-se fugitivo ou delinquente.

Adulto, pode ser inadaptado socialmente, ou fóbico, com a necessidade de se lavar continuamente as mãos; é frequentemente psicótico ou nevrótico. Por vezes alcoólico, tem então tendências perversas: sexuais, crueldade em relação aos animais, sadismo.

O seu estado geral agrava-se à noite, à beira-mar, e melhora na montanha.

Fatores desencadeantes

O modo reacional inicial é aquele que ê encontrado com mais frequência quando o desenvolvimento fetal foi perturbado:

  • durante a gravidez por infecções virais ou microbianas (rubéola, papeira, sífilis, toxoplasmose, sida), por intoxicações (álcool, drogas, medicamentos),
  • ou pela velhice dos genitores, ou por antecedentes familiares característicos (doenças venéreas).

Originally posted 2014-03-25 13:05:12.