1dandelion3 - A Homeopatia e o Medicamento

A Homeopatia e o Medicamento

Circulam as ideias mais fantasmas sobre a maneira de tomar os remédios homeopáticos.

Não é inútil separar o verdadeiro do falso a responder as perguntas que possam fazer.

“Será necessário tomar precauções alimentares especiais durante um tratamento homeopático?”

A confusão entre a higiene de vida e a homeopatia está na base de mitos alimentares que rodeiam a maneira de fazer um tratamento homeopático. Deste sempre, os remédios homeopatas preocupados com a higiene alimentar do seu paciente, decretaram regras que só tinham por objectivo o melhoramento a qualidade de vida, e isto num contexto global, reflexo fiel da pratica homeopática.

No entanto, algumas destas recomendações – tal como a abstenção de menta, de café, de tabaco, de álcool – foram erigidas em dogma, depois associadas à terapêutica homeopática e finalmente transformadas em verdadeiras proibições.

Embora uma boa higiene de vida passe por um uso moderado destas substancias, nada prova que o seu abandono esteja na origem de um tratamento homeopático mais eficaz, ou, ao contrario, que a sua presença seja nefasta a este ultimo.

Em contrapartida, sabemos que estas substancias provocam uma vasoconstrição local, dos vasos situado sob a língua que pode incomodar a absorção dos grânulos homeopáticos. É por isso que tomar os medicamentos homeopáticos concomitantemente é desaconselhado. Do mesmo modo, seria bom escovar os dentes meia hora depois de tomar os grânulos.

Originally posted 2014-03-24 12:32:57.

herbs larger pic - Diferença entre Homeopatia e Fitoterapia

Diferença entre Homeopatia e Fitoterapia

A homeopatia faz apelo não só ao reino vegetal, como também ao animal e mineral. Recorre a medicamentos diluídos e dinamizados — ou seja, “abanados” no momento da sua preparação. Por outro lado, estes medicamentos estão disponíveis sob uma forma que lhes é própria, os grânulos ou os glóbulos.

Finalmente, a homeopatia, devido as doses utilizadas, não tem a toxicidade que podem ter algumas plantas.

O meu conselho:

Compre só as plantas no seu farmacêutico, porque este último abastece-se na maioria das vezes num laboratório industrial com estatuto farmacêutico que efetuou numerosos controlos de qualidade da planta, o que permite obter produtos haveis.

Os comerciantes de plantas compram-nas nas grossistas com estatuto não farmacêutico, nos quais nenhum controlo científico foi efetuado, dai um risco no melhor dos casos de ineficácia, e no pior de toxicidade. Alguns farmacêuticos abastecem-se neste tipo de grossistas.

No entanto, são legalmente responsáveis pela qualidade dos medicamentos que entregam.

Originally posted 2014-03-21 11:54:25.

curare bambini omeopatia - A infinitesimalidade

A infinitesimalidade

Para a maioria, esta noção designa as fracas doses dos medicamentos homeopáticos; para os detractores da homeopatia, constitui o argumento principal de não validade da homeopatia. De facto, a infinitesimalidade é um termo obsoleto e inadequado; para além disso, é uma noção ultrapassada que, classicamente, se aplica às matemáticas e não à farmacologia. As investigações actuais fazem pensar que é mais judicioso adoptar a expressão – que se tomou vulgar no mundo homeopático – de altas diluições.

Substituir o termo de ‘infinitesimalidade” por ‘aftas diluições’ conduz-nos directamente na direcção do medicamento homeopático cujo modo de preparação é essencial a sua actividade e a da homeopatia

A noção de infinitesimalidade

Em 1790,  Hahnemann experimentava, segundo o princípio de similitude, os medicamentos em doses sub-tóxicas. As curas aconteciam depois de uma agravação passageira.
Portanto, diminuiu as doses: foi a descoberta da infinitesimalidade e do modo de preparação especifico do medicamento homeopático.

O medicamento homeopático é obtido através de diluições sucessivas da substância do inicio. Estas diluições são tão importantes que até ultrapassam o limite teórico de presença molecular (número de Avogadro superior a 10^23), limite simbólico e físico para além do qual a probabilidade de presença de uma molécula é quase nula. A cada etapa das diluições tem lugar uma agitação vigorosa dos frascos chamada “dinamização”.

O número de Avogadro discutido?

“Se nos colocarmos do ponto de vista molecular… 22,4 litros contêm o número de
Avogadro (6,023×10^23). O número de moléculas em jogo no corpo humano andaria assim
à volta de 10^80. Se quiséssemos representar através de um diagrama a configuração do
movimento destas moléculas, precisaríamos de um espaço com dimensões duas vezes
10^80 pelo menos… É bastante grande!

E o materialista convencido, no geral, faz apelo grosso modo às propriedades da matéria, visto que pensamos conhecê-las. quando não as conhecemos! Esquecemo-nos demasiado facilmente: a razão de ser das propriedades da matéria mantém-se um enigma. Os sábios não têm por hábito confessarem a sua ignorância!”

Este modo de preparação de um medicamento é especial porque resulta simultaneamente de uma acção química (inerente a qualquer substância), de uma actividade física (a dinamização) e provavelmente da interacção entre o solvente (álcool, ou água, no qual a substância é colocada no principio da preparação) e da substância.

É por isso que não podemos dar a nossa opinião apoiando-nos unicamente – como na farmacologia clássica – na presença ou não de moléculas, sem tomar em consideração estes outros parâmetros. Seria esquecer os principais fundamentos da homeopatia e o modo de preparação dos seus medicamentos. Para mais pormenores, consulte o capítulo sobre os medicamentos ‘Como é que são feitos?”.

Estudos publicados em revistas científicas internacionais mostraram a actividade das altas diluições. A partir daí, o problema consiste em compreender e conhecer a natureza do suporte material da informação que transmite o medicamento homeopático. Por entre o, ou melhor, os modos de acção, uma das hipóteses actuais seria a transmissão de uma informação de natureza biofísica como parecem mostrar os últimos trabalhos efectuados em ressonância magnética nuclear.

Originally posted 2014-03-20 12:57:06.

fundo02 - A Oligoterapia

A Oligoterapia

A oligoterapia é uma terapêutica que utiliza os oligoelementos para curar e prevenir as doenças. Jacques Ménétrier elaborou a oligoterapia a fim de tratar “a maioria dos doentes que não gozava de uma saúde perfeita que é necessário proteger, e que não sofria da doença evoluída que é necessário combater”.

CONTRIBUTOS NUTRICIONAIS ACONSELHADOS EM OUGO-ELEIIENTOS
(NATIONAL RESEARCH COUNCIL, 1989: EXTRACTOS).

Feno

Mg/l

Zinco

Mg/l

Iodo

Mg/l

Selênio

Mg/l

Cobre

Mg/l

Magnésio

Mg/l

Homens

10

15

150

70

1,5

2-5

Mulheres

15

12

150

55

1,5

2-5

COMPOSIÇÃO MÉDIA DOS ALIMENTOS CONSUMIDOS EM FRANÇA, EXPRIMIDA A PARTIR DO PESO FRESCO.

Ferro

Mg/100g

Zinco

Mg/100g

Iodo

Mg/100g

Selênio

Mg/100g

Cobre

Mg/100g

Manganésio

Mg/100g

Feculentos

1,26

0,71

4,16

1,65

0,2

0,37

Frites

0,24

0,16

1,15

0,11

0,1

0,23

Legumes

0,42

0,27

0,46

0,6

0,06

0,15

Carnes

1,65

2,8

1,72

11

0,07

0,07

Peixes

0,13

0,56

45,9

29,5

0,05

0,05

Ovos

1,75

1,04

47,4

22,7

0,06

0,01

Leites

0,04

0,36

9,81

0,9

0,01

Queijos

0,29

2,96

26,83

5,96

0,07

Iogurtes

0,10

0,43

15,65

1,1

0,02

Bebidas

0.56

0,05

0,09

Os oligoelementos estão normalmente presentes no organismo. Um contributo suplementar revela-se por vezes necessário para estimular – catalisar-se um termo exato – certas reações do organismo que intervém na sua defesa e na sua regulação. Ménétrier criou a medicina dita “funcional”, e descreve terrenos – diferentes dos da homeopatia – nos quais ligou as perturbações a necessidades de estímulos suplementares do organismo através dos oligoelementos.

Vitamina A

Vitamina D

Vitamina E

Vitamina K

Vitamina B1

Vitamina B2

Vitamina B3

Vitamina B6

Vitamina B9

Vitamina B12

Vitamina C

Leite, manteiga, ovos, fígado, peixes, legumes verdes, cenouras.

Peixes (atum, sarda, sardinha, salmão); óleo de fígado de bacalhau, ovos, fígado de cava

Ovos, carne, miúdos das aves, legumes verdes, óleos vegetais

Fígado, espinafres, couves

Pão completo, legumes secos, carne de porco, leite, ovos

Leite, carne, miúdos de aves, legumes secos, café torrificado

Levedura, carne, miúdos de aves, legumes verdes, frutos

Levedura, carne, miúdos de aves, legumes verdes, frutos

Legumes verdes, grão, milho, amêndoas, castanhas, fígado, gema de ovo

Carnes bovinas, crustáceos, peixes, leite, ovos

Frutos, legumes, miúdos de aves, charcutaria

FORNECIMENTOS EM VITAMINAS ACONSELHADOS POR DIA

Vitamina A/mg

Vitamina D/mg

Vitamina E/mg

Vitamina K/mg

Vitamina B1/mg

Vitamina B2/mg

Vitamina B3/mg

Vitamina B6/mg

Vitamina B9/mg

Vitamina B12/mg

Vitamina C /mg

Crianças (10-12 anos)

800

10

10

30

1,2

1,4

1,4

1,6

200

2

60

Homens
adultos

1000

10

12

45

1,5

1.8

18

2,2

300

3

80

Mulheres
adultas

800

10

12

35

1,3

1,5

15

2

300

3

80

Estes últimos atuam em doses inferiores às da fitoterapia e superiores às da homeopatia. A maioria dos oligoelementos são metais, dos quais os principais são: o cobre utilizado nas infeções, o lítio nos estados nervosos, o cobalto nos problemas cardíacos, o magnésio nas espasmofilias, o ouro nas dores reumatismais, etc. Com estas doses, estes elementos não tem efeitos tóxicos.

Originally posted 2014-03-21 12:52:29.

cabeçalho - O progresso da Homeopatia Parte I

O progresso da Homeopatia Parte I

No entanto, apesar do seu começo difícil, a homeopatia conseguiu desenvolver-se graças à grande energia de Hahnemann e dos seu partidários. Assim , enquanto foi vivo, através da suas numerosas relações e da importante correspondência que mantinha com os seus colegas, Hahnemann participou bastante na difusão da sua terapêutica pelo mundo inteiro. O dinamismo dos seus alunos, E. Stapf, C. Boienninghausen, C. H. G. Jahr, também contribuiu muito.

Na Europa e nos Estados Unidos

O aparecimento da epidemia de cólera que invadiu a Europa naquela época, os fracassos da medicina oficial e os êxitos da homeopatia nesta patologia levaram muitos médicos, principalmente militares, a utilizar e a espalhar neste método. Naturalmente, a homeopatia foi primeiro difundida na Alemanha. A primeira revista homeopática foi editada em 1822.

A viagem para o outro lado do Atlântico de Contantin Hering permitiu o nascimento e o desenvolvimento da homeopatia nos Estados Unidos onde podíamos contar no século XIX mais de treze mil médicos e alguns setenta hospitais homeopáticos. A seguir, alguns homeopatas de grande reputação, Allen, Dunham, Lippe, Farringtom, Nash, Kent, também contribuíram para o seu êxito. Este ultimo esteve na origem do desenvolvimento de um movimento unicista especial, que apareceu nos Estados Unidos no inicio do século XX. Os unicistas oriundos desta corrente receitavam um medicamento único que era suposto curar o doente sozinho. Para os mais extremos, os “Kentistas”, do nome do seu inspirados, bastava tomá-lo um vez, e a repetição do medicamento só se fazia depois de ter sido esgotado o efeito do inicial.

A homeopatia de Inglaterra até tinha o seu medico homeopata pessoal. Ainda hoje existem numerosos hospitais homeopáticos: o mais importante é o Royak Londom Homeopathic Hospital fundado em 1850. Está incluído no National Health Service, o equivalente do nosso sistema de Segurança Social.

 

Originally posted 2014-03-21 10:23:04.