wp12b6bea4 - A Fitoterapia

A Fitoterapia

A fitoterapia utiliza as plantas medicinais para curar, até mesmo prevenir as doenças. Esta disciplina existe desde a noite dos tempos: foi desta maneira que os primeiros homens se trataram. Encontramos no Simpósio numerosas plantas que eram vulgarmente receitadas antes da chegada da indústria farmacêutica e das moléculas de síntese

A fitoterapia utiliza posologias clássicas, “alopáticas”, que se exprimem em gramas, em centigramas ou em miligramas. Estes medicamentos são tomados principalmente sob a forma de cápsulas tisanas, suspensões, extratos ou intractos, tinturas-mães. Assim, se consumir, com estas doses, a cavalinha, a sílica, o harpagophytum, a passiflora a valeriana, está a utilizar a fitoterapia e não a homeopatia. Duas especialidades que correspondem a maneiras especiais de tratar através das plantas resultam daí:

  • A aromaterapia é o tratamento das doenças através de aromas vegetais, e mais precisamente através de óleos essenciais. A essência das plantes á obtida, entre outros, através da destilação a vapor. A manipulação dos óleos essenciais é delicada e requer utilizadores experientes, porque, entre mãos incompetentes, os riscos de toxicidade são grandes principalmente na criança pequena. O eucalipto e a lavanda ou o alecrim em óleos essenciais são vulgarmente utilizados nas infecções pulmonares.
  • A geroterapia utiliza as macerações glicerinadas que resultam da ação dissolvente de uma mistura de glicerina e álcool sobre tecidos vegetais muito jovens, em pleno crescimento. Rosa canina, Ribes nigrum, Viscum álbum são algumas destas macerações glicerinadas mais conhecidas.

A fitoterapia constitui para muitos médicos homeopatas um complemento terapêutico
interessante.

Originally posted 2014-03-21 11:48:15.

banner2 - Diferença entre Oligoterapia e Homeopatia

Diferença entre Oligoterapia e Homeopatia

Alguns medicamentos homeopáticos também são metais, tas corno Cuprum metallicum, o cobre, Aurum metallicum. o ouro, Ferrum metallicum, o ferro, cobaltum, o cobalto. No entanto, as indicações destes medicamentos e dos oligoelementos são diferentes, porque a sua maneira de preparação é distinta.

Os oligoelementos tem uma maneira de preparação clássica; os medicamentos homeopáticos devem ser diluídos e dinamizados para serem ativos, e respeitarem um dos princípios fundamentais da homeopatia, o princípio de similitude, que encontramos na expressão “tratar o mal pelo mal”.

O meu conselho:

Existem múltiplas preparações contendo numerosos oligoelementos e vitaminas. Na minha opinião, têm pouco interesse, porque a maioria não é adaptada ao seu caso. É preferível consultar um médico que determinará as suas próprias carências e lhe dará um tratamento adaptado contendo apenas os oligoelementos de que precisa.

Originally posted 2014-03-21 12:57:51.

mesoterapia 1 - Primeira Impressão Parte II

Primeira Impressão Parte II

Para lembrar

  • Em homeopatia, a aparência física tem uma importância secundária As constituições datam do século XIX: corresponderiam a morfologias e a temperamentos característicos, que predisporiam para doenças. De facto, variam em função da cultura de uma sociedade e do dogmatismo médico de uma época. A constituição é fixa no tempo, descreve homens de boa saúde: os tratamentos (expecto nas áreas de prevenção especificas) têm pouco interesse nestes casos. A terapêutica homeopática não se serve destas constituições para encontrar os medicamentos apropriados.
  • A homeopatia baseia-se no modo reacional geral do individuo para descobrir os medicamentos apropriados.
  • O tipo sensível é uma pessoa que reage melhor (experimental ou clinicamente) a certos medicamentos do que a maioria dos outros sujeitos.

“O que é o tipo sensível?”

A noção de tipo sensível é diferente, visto que o procedimento é inverso. A experimentação de uma substância desencadeia os sinais habituais do medicamento homeopático, expecto nos sujeitos ditos sensíveis, que desenvolvem para um mesmo produto mais sinais homeopáticos do que os outros.

O tipo sensível permite portanto pôr em evidência, por um lado, as reações características do sujeito ao medicamento e, por outro, a maioria dos sinais deste medicamento.

Não toma em consideração a constituição do sujeito, porque deve poder ser distinguido seja qual for a raça, a etnia. Considera antes de mais o modo reacional do individuo, sem se demorar sobre as suas eventuais particularidades morfológicas e caracterológicas.

O tipo sensível deve ser reconhecido pela maneira especial de reagir do indivíduo, ou experimentalmente ao medicamento homeopático, ou clinicamente à doença.

Originally posted 2014-03-26 09:29:06.

1dandelion3 - As circunstancias do aparecimento

As circunstancias do aparecimento

São os acontecimentos que supostamente estão na origem da doença. São evidentes quando precedem imediatamente a doença: uma gripe depois de ter apanhado frio, por exemplo. São difíceis de encontrar quando são muito anteriores à doença.

Exemplo: As cefaleias ou um aumento de peso podem ser a consequência de um traumatismo craniano que aconteceu seis meses ou um ano antes. Natrum sulfuricum ou Hypericum podem ser então indicados.

A noção de etiologia será desenvolvida no parágrafo seguinte na classificação dos sinas homeopáticos.

Os sinais concomitantes

São as perturbações orgânicas ou funcionais, ou os outros sintomas que acompanham sinal homeopático.

Exemplos: Chamomilla vulgaris é indicada quando as crianças têm os dentes a romper e a
diarreia característica.

  •  os sinais locais são uma bochecha quente e vermelha do lado em que o dente está a romper, e uma bochecha pálida e fria no oposto;
  • os sinais gerais traduzem -se pela agitação e pelo nervosismo da criança;
  • os sinais locais e gerais são os sinais concomitantes do sinal homeopático procurado.

Como é que um sintoma se torna um sinal homeopático as suas características

  1. as suas modalidades
  2. as suas circunstâncias de aparecimento
  3. os seus sinais de acompanhamento

De tudo isto, não devemos esquecer que um sinal banal explicado pelo doente pode tomar-se um sinal homeopático se as suas particularidades reconhecidas (qualificação, modalidades, circunstâncias de aparecimento, sinais concomitantes) através de um interrogatório rigoroso permitam encontrá-lo na maioria medica.

Todavia, nem todos os sinais homeopáticos, mesmo bem individualizados, têm o mesmo valor para a prescrição.

Originally posted 2014-03-25 16:17:54.