fundo02 - A Oligoterapia

A Oligoterapia

A oligoterapia é uma terapêutica que utiliza os oligoelementos para curar e prevenir as doenças. Jacques Ménétrier elaborou a oligoterapia a fim de tratar “a maioria dos doentes que não gozava de uma saúde perfeita que é necessário proteger, e que não sofria da doença evoluída que é necessário combater”.

CONTRIBUTOS NUTRICIONAIS ACONSELHADOS EM OUGO-ELEIIENTOS
(NATIONAL RESEARCH COUNCIL, 1989: EXTRACTOS).

Feno

Mg/l

Zinco

Mg/l

Iodo

Mg/l

Selênio

Mg/l

Cobre

Mg/l

Magnésio

Mg/l

Homens

10

15

150

70

1,5

2-5

Mulheres

15

12

150

55

1,5

2-5

COMPOSIÇÃO MÉDIA DOS ALIMENTOS CONSUMIDOS EM FRANÇA, EXPRIMIDA A PARTIR DO PESO FRESCO.

Ferro

Mg/100g

Zinco

Mg/100g

Iodo

Mg/100g

Selênio

Mg/100g

Cobre

Mg/100g

Manganésio

Mg/100g

Feculentos

1,26

0,71

4,16

1,65

0,2

0,37

Frites

0,24

0,16

1,15

0,11

0,1

0,23

Legumes

0,42

0,27

0,46

0,6

0,06

0,15

Carnes

1,65

2,8

1,72

11

0,07

0,07

Peixes

0,13

0,56

45,9

29,5

0,05

0,05

Ovos

1,75

1,04

47,4

22,7

0,06

0,01

Leites

0,04

0,36

9,81

0,9

0,01

Queijos

0,29

2,96

26,83

5,96

0,07

Iogurtes

0,10

0,43

15,65

1,1

0,02

Bebidas

0.56

0,05

0,09

Os oligoelementos estão normalmente presentes no organismo. Um contributo suplementar revela-se por vezes necessário para estimular – catalisar-se um termo exato – certas reações do organismo que intervém na sua defesa e na sua regulação. Ménétrier criou a medicina dita “funcional”, e descreve terrenos – diferentes dos da homeopatia – nos quais ligou as perturbações a necessidades de estímulos suplementares do organismo através dos oligoelementos.

Vitamina A

Vitamina D

Vitamina E

Vitamina K

Vitamina B1

Vitamina B2

Vitamina B3

Vitamina B6

Vitamina B9

Vitamina B12

Vitamina C

Leite, manteiga, ovos, fígado, peixes, legumes verdes, cenouras.

Peixes (atum, sarda, sardinha, salmão); óleo de fígado de bacalhau, ovos, fígado de cava

Ovos, carne, miúdos das aves, legumes verdes, óleos vegetais

Fígado, espinafres, couves

Pão completo, legumes secos, carne de porco, leite, ovos

Leite, carne, miúdos de aves, legumes secos, café torrificado

Levedura, carne, miúdos de aves, legumes verdes, frutos

Levedura, carne, miúdos de aves, legumes verdes, frutos

Legumes verdes, grão, milho, amêndoas, castanhas, fígado, gema de ovo

Carnes bovinas, crustáceos, peixes, leite, ovos

Frutos, legumes, miúdos de aves, charcutaria

FORNECIMENTOS EM VITAMINAS ACONSELHADOS POR DIA

Vitamina A/mg

Vitamina D/mg

Vitamina E/mg

Vitamina K/mg

Vitamina B1/mg

Vitamina B2/mg

Vitamina B3/mg

Vitamina B6/mg

Vitamina B9/mg

Vitamina B12/mg

Vitamina C /mg

Crianças (10-12 anos)

800

10

10

30

1,2

1,4

1,4

1,6

200

2

60

Homens
adultos

1000

10

12

45

1,5

1.8

18

2,2

300

3

80

Mulheres
adultas

800

10

12

35

1,3

1,5

15

2

300

3

80

Estes últimos atuam em doses inferiores às da fitoterapia e superiores às da homeopatia. A maioria dos oligoelementos são metais, dos quais os principais são: o cobre utilizado nas infeções, o lítio nos estados nervosos, o cobalto nos problemas cardíacos, o magnésio nas espasmofilias, o ouro nas dores reumatismais, etc. Com estas doses, estes elementos não tem efeitos tóxicos.

Originally posted 2014-03-21 12:52:29.

cabeçalho - O progresso da Homeopatia Parte I

O progresso da Homeopatia Parte I

No entanto, apesar do seu começo difícil, a homeopatia conseguiu desenvolver-se graças à grande energia de Hahnemann e dos seu partidários. Assim , enquanto foi vivo, através da suas numerosas relações e da importante correspondência que mantinha com os seus colegas, Hahnemann participou bastante na difusão da sua terapêutica pelo mundo inteiro. O dinamismo dos seus alunos, E. Stapf, C. Boienninghausen, C. H. G. Jahr, também contribuiu muito.

Na Europa e nos Estados Unidos

O aparecimento da epidemia de cólera que invadiu a Europa naquela época, os fracassos da medicina oficial e os êxitos da homeopatia nesta patologia levaram muitos médicos, principalmente militares, a utilizar e a espalhar neste método. Naturalmente, a homeopatia foi primeiro difundida na Alemanha. A primeira revista homeopática foi editada em 1822.

A viagem para o outro lado do Atlântico de Contantin Hering permitiu o nascimento e o desenvolvimento da homeopatia nos Estados Unidos onde podíamos contar no século XIX mais de treze mil médicos e alguns setenta hospitais homeopáticos. A seguir, alguns homeopatas de grande reputação, Allen, Dunham, Lippe, Farringtom, Nash, Kent, também contribuíram para o seu êxito. Este ultimo esteve na origem do desenvolvimento de um movimento unicista especial, que apareceu nos Estados Unidos no inicio do século XX. Os unicistas oriundos desta corrente receitavam um medicamento único que era suposto curar o doente sozinho. Para os mais extremos, os “Kentistas”, do nome do seu inspirados, bastava tomá-lo um vez, e a repetição do medicamento só se fazia depois de ter sido esgotado o efeito do inicial.

A homeopatia de Inglaterra até tinha o seu medico homeopata pessoal. Ainda hoje existem numerosos hospitais homeopáticos: o mais importante é o Royak Londom Homeopathic Hospital fundado em 1850. Está incluído no National Health Service, o equivalente do nosso sistema de Segurança Social.

 

Originally posted 2014-03-21 10:23:04.

1dandelion3 - Os complexistas

Os complexistas

Os complexistas têm um procedimento oposto ao dos pluralistas e dos unicistas. Prescrevem um grande numero de medicamentos sob a forma de preparação magistral.

Afastam-se das bases da homeopatia ao prescreverem estas preparações que não sofreram qualquer um dos processos de desenvolvimento do medicamento homeopático, ou seja, a experimentação no homem são e a cura no homem doente.

Para além disso, esta técnica, embora simplifique a prática da homeopatia, reduzindo provavelmente o campo de aplicação: não atua em profundidade sobre o indivíduo, no máximo alivia-o temporária e superficialmente.

Esta prática é mais útil enquanto “automedicação de espera”, vendida por vezes pelo farmacêutico sob a forma de especialidades ditas “homeopáticas”.

É utilizada pontualmente pelos médicos pluralistas com um número reduzido de medicamentos (quatro ou cinco no máximo) em fracas diluições, e visa então mais o sintoma do que a doença. Ainda é utilizada por alguns para “drenar”, ou seja, para “limpar o organismo”, o que é, atualmente, uma noção no mínimo abstrata e no máximo ultrapassada.

Originally posted 2014-03-26 10:38:44.

1dandelion3 - Diálogo com o paciente

Diálogo com o paciente

O dialogo com o paciente – e não o interrogatório, termo, na minha opinião, mais jurídico do que médico – começa pela escuta dos pacientes que vem exprimir a inquietação que lhes causa o aparecimento de perturbações que não são habituais: são os sinais funcionais.

Para o doente, é o motivo da consulta. O paciente, variavelmente ansioso, procura ser tranquilizado e apaziguado desde o principio da conversa; é por isso que o médico o deixa falar, evita interrompe-lo muitas vezes, mas lambem o dirige habilmente e lenta aliviar a sua ansiedade. Por vezes, as suas revelações orientam rapidamente o medico para o diagnóstico.

“O que é que o médico pergunta ao seu paciente?”

O médico separa as informações fornecidas pelo paciente, precisa a história da doença, ou seja, as suas circunstâncias de aparecimento, de melhoras ou de agravação, a sua evolução, e a topografia das perturbações.

A seguir, procura os antecedentes pessoais e familiares do doente, ou seja as doenças para as quais o sujeito tem predisposição, ou pelas afeções dos seus ascendentes ou colaterais – tais como a hipertensão arterial, algumas doenças cardiovasculares ou metabólicas, alguns cancros (digestivo, mama, tiroide) -, ou pela sua própria vida: antecedentes cirúrgicos, alérgicos, infecciosos (tuberculose, hepatite viral, doenças sexualmente transmissíveis, cancros, sida), ginecológicos, etc, tratamento com medicamentos especiais, vacinações (sobretudo BCG, ROR).

Originally posted 2014-03-26 09:35:50.

homeopatia1 - O exame médico do doente crónico

O exame médico do doente crónico

Comporta:

  • A inspeção da pele, cujo carácter doentio orientará para Psorinum ou Sulfur. o seu aspecto oleoso e malcheiroso para Thuya occidentalis. A presença de verrugas orienta, conforme as suas características, para Thuya occidentalis, Nitricum acidum, Causticum, Staphysagria;
  • a inspeção dos fâneros (unhas, cabelos) é importante. Os cabelos de Sepia são secos, quebradiços e electrizam-se facilmente, os de Thuya occidentalis são oleosos. As unhas de Silicea têm manchas brancas, as de Natrum muriaticum têm espigos á volta (pequenas peles que se formam à volta das unhas). As unhas de Antimonium crudum tornam-se duras, grossas, e racham-se no sentido longitudinal, ao passo que as unhas de Thuya occidentalis lornam-se moles, partem-se e dividem-se no sentido da espesura;
  •  o exame da lingua: o seu estado e o seu aspecto permitem distinguir medicamentos como Nux vomica ou Mercurios solubilis ou Rhus toxicodendron;
  • o exame dos lábios e dos ouvidos: a sua vermelhidão orienta para Sulfur;
  • o exame dos olhos: o inchaço do ângulo interno das pálpebras orientará para Kalium carbonicum;
  • a auscultação cardíaca pode confirmar um medicamento tal como Phosphorus, a dos pulmões diferencia Antimonium tartaricum de Ipeca. Uma tensão arterial máxima ou uma hipertensão é mais frequente em Lachesis mutus, e uma tensão arterial fraca em Sepra.
  • a palpação de um abdómen dorido permite distinguir o inchaço de Lycopodium clavatum, de China rubra, de Carbo vegetabilis.

Exemplo de uma receita de um tratamento de terreno para um sujeito que sofre de rinite alergica ou “febre-dos fenos”

Doutor Renaud Bornymche 26 de Março de 19677
18, boulevard de Paris Salomé C.
93600 Aulnay-sous- Bois
Tratamento para um mês (a renovar uma vez)

Ao vantar; Allium cepa 5CH: 2 granulos
Ao deitar: Arenicum álbum 5CH: 2 granulos
Aos domingos, tomar apenas ao levantar; Uma dose de Psorinum 15CH.

Como compreender esta receita: Allium cepa é o medicamento do sintoma “rinite” (sinal local), prescrito a partir de noções de lacrimação doce e de corrimento nasal irritante.

Arsenicum álbum é o medicamento de terreno: é receitado a partir de sinais psíquicos e gerais do doente, a partir dos seus antecedentes alérgicos, a partir do aparecimento inesperado de crises de asma de uma hora às três horas da manhã acompanhadas por ansiedade, agitação.

Psorinum é, neste caso, um medicamento complementar de terreno útil nos sujeitos muito friorentos, com antecedentes alérgicos cutâneos, tais como um eczema reincidente em cada Inverno.

Originally posted 2014-03-26 10:07:11.