wp12b6bea4 - Os Exames Complementares

Os Exames Complementares

Por experiência, os médicos homeopatas constataram que alguns resultados de exames complementares eram úteis para a escolha do medicamento. Vamos dar alguns exemplos:

  • os pacientes que necessitam da prescrição de Lycopodium clavatum têm predisposição para a hiperuricemia, para a hipercolesterolemia e para a acetonuria, aqueles que têm necessidade de Sulfur. para a diabetes;
  • os sujeitos com tendência para a anemia ou para as perturbações da coagulação beneficiarão de China rubra, Ferrum metallicum ou Lachesis mutus;
  • a presença de uma inversão da fórmula sanguínea (percentagem de linfócitos superior à dos polinucleares neutrófilos) é frequente nos sujeitos que têm necessidade de Hepar sulfur.

Durante a consulta, o médico acumulou uma massa de informações que tem de ordenar a fim de separar os sinais homeopáticos mais significativos para a prescrição do ou dos medicamentos mais apropriados. Esta hierarquização toma em consideração, tal como já vimos:

  •  os sinais da doença;
  • os sinais etiológicos, o modo de início e/ou de aparecimento;
  • os sinais gerais, e/ou locais, os sinais psíquicos, as modalidades;
  • o tipo sensível e a constituição

Munido com estas informações, o médico poderá assim decidir a orientação terapêutica que vá tomar.

Originally posted 2014-03-26 10:20:58.

1dandelion3 - A Homeopatia e o Medicamento

A Homeopatia e o Medicamento

Circulam as ideias mais fantasmas sobre a maneira de tomar os remédios homeopáticos.

Não é inútil separar o verdadeiro do falso a responder as perguntas que possam fazer.

“Será necessário tomar precauções alimentares especiais durante um tratamento homeopático?”

A confusão entre a higiene de vida e a homeopatia está na base de mitos alimentares que rodeiam a maneira de fazer um tratamento homeopático. Deste sempre, os remédios homeopatas preocupados com a higiene alimentar do seu paciente, decretaram regras que só tinham por objectivo o melhoramento a qualidade de vida, e isto num contexto global, reflexo fiel da pratica homeopática.

No entanto, algumas destas recomendações – tal como a abstenção de menta, de café, de tabaco, de álcool – foram erigidas em dogma, depois associadas à terapêutica homeopática e finalmente transformadas em verdadeiras proibições.

Embora uma boa higiene de vida passe por um uso moderado destas substancias, nada prova que o seu abandono esteja na origem de um tratamento homeopático mais eficaz, ou, ao contrario, que a sua presença seja nefasta a este ultimo.

Em contrapartida, sabemos que estas substancias provocam uma vasoconstrição local, dos vasos situado sob a língua que pode incomodar a absorção dos grânulos homeopáticos. É por isso que tomar os medicamentos homeopáticos concomitantemente é desaconselhado. Do mesmo modo, seria bom escovar os dentes meia hora depois de tomar os grânulos.

Originally posted 2014-03-24 12:32:57.

herbs larger pic - Diferença entre Homeopatia e Fitoterapia

Diferença entre Homeopatia e Fitoterapia

A homeopatia faz apelo não só ao reino vegetal, como também ao animal e mineral. Recorre a medicamentos diluídos e dinamizados — ou seja, “abanados” no momento da sua preparação. Por outro lado, estes medicamentos estão disponíveis sob uma forma que lhes é própria, os grânulos ou os glóbulos.

Finalmente, a homeopatia, devido as doses utilizadas, não tem a toxicidade que podem ter algumas plantas.

O meu conselho:

Compre só as plantas no seu farmacêutico, porque este último abastece-se na maioria das vezes num laboratório industrial com estatuto farmacêutico que efetuou numerosos controlos de qualidade da planta, o que permite obter produtos haveis.

Os comerciantes de plantas compram-nas nas grossistas com estatuto não farmacêutico, nos quais nenhum controlo científico foi efetuado, dai um risco no melhor dos casos de ineficácia, e no pior de toxicidade. Alguns farmacêuticos abastecem-se neste tipo de grossistas.

No entanto, são legalmente responsáveis pela qualidade dos medicamentos que entregam.

Originally posted 2014-03-21 11:54:25.

caderno especial homeo opt - Nascimento da Homeopatia

Nascimento da Homeopatia

Em 1789. Hahnemann, no Tratado das doenças venéreas, retoma as teorias do brilhante escocês, Hunter, sobre a irritabilidade nervosa. Estas últimas explicam que uma substancia terapêutica actua – graças à sua força de estimulo próprio – opondo-se á irritação geral provocada pela doença. Do mesmo modo, o desencadeamento artificial de uma febre combateria a febre da doença natural e teria as mesmas virtudes curativas.

No seguimento de Iodo este encaminhamento, aparece claramente uma noção essencial no
seu espírito: a ideia de um tratamento através de estímulo do organismo graças a uma substancia
capaz de produzir uma doença artificial a fim de curar a doença natural. Já é o esboço do fundamento da homeopatia: o principio de similitude, que Hahnemann enunciará definitivamente, em 1790, por ocasião da tradução do livro da Matéria Médica de Culten (1710-1790), aluno de Whytt.

Nessas substâncias, salientava que a quina curava no doente as febres intermitentes porque ocasionava – em doses bastante fortes – uma febre semelhante no sujeito são. É o primeiro enunciado do princípio de similitude, que será redefinido no Organon, e constituirá a base teórica da homeopatia.

Aos quarenta e seis anos, em 1796, Hahnemann estabelece os actos fundadores da homeopatia no Ensaio sobra um novo principio para descobrir as virtudes curativas das substância medicinais, seguido por algumas exposições sumárias sobre os princípios admitidos aia aos nossos dias. Em 1810, aos cinquenta e cinco anos, é publicada a sua obra de referência, o Organon da medicina racional, que se intitulará nas edições ulteriores, o Organon da arte de curar.

Baseando-se nas crenças populares e depois de mais de vinte anos de estudo, em 1790, Jennor, aluno de Hunter, descobre o princípio da vacinação que, naquela época, não era mais do que a demonstração experimental da protecção da doença através da inoculação da doença.

Provavelmente, Hahnemann não o ignorava, porque este princípio já estava em voga há muitos anos. Todos os elementos estavam reunidos para a elaboração da terapêutica homeopática:

 

  • A toxicidade e a ineficácia dos medicamentos, a «coerência dos tratamentos, a ausência de linhas directivas lógicas;
  • As suas ideias sobre a higiene e a hidroterapia (Viena foi um dos primeiros centros de
    tratamentos termais) de onde sobressai a eventualidade de tratamentos acessíveis a
    todos e sobretudo aos pobres, ideia à qual, enquanto franco-mação, era especialmente
    sensível;
  • As teorias de Hunter, a noção de terreno e de constituição nervosa de Whytt. o vitalismo
    do qual Hahnemann se reclamará no final da sua vida;
  • A classificação de Boissier de Sauvages a qual retomara por ocasião da elaboração de
    uma outra obra de referência sobre as doenças crónicas:
  • A experimentação de substancias tóxicas por Storck;
  • As ideias do método contra-irritante e da vacinação: tratar o mal pelo mal;
  • As ideias hipocráticas que serão exprimidas mais tarde nas suas obras.

Originally posted 2014-03-21 09:24:27.

curare bambini omeopatia - A infinitesimalidade

A infinitesimalidade

Para a maioria, esta noção designa as fracas doses dos medicamentos homeopáticos; para os detractores da homeopatia, constitui o argumento principal de não validade da homeopatia. De facto, a infinitesimalidade é um termo obsoleto e inadequado; para além disso, é uma noção ultrapassada que, classicamente, se aplica às matemáticas e não à farmacologia. As investigações actuais fazem pensar que é mais judicioso adoptar a expressão – que se tomou vulgar no mundo homeopático – de altas diluições.

Substituir o termo de ‘infinitesimalidade” por ‘aftas diluições’ conduz-nos directamente na direcção do medicamento homeopático cujo modo de preparação é essencial a sua actividade e a da homeopatia

A noção de infinitesimalidade

Em 1790,  Hahnemann experimentava, segundo o princípio de similitude, os medicamentos em doses sub-tóxicas. As curas aconteciam depois de uma agravação passageira.
Portanto, diminuiu as doses: foi a descoberta da infinitesimalidade e do modo de preparação especifico do medicamento homeopático.

O medicamento homeopático é obtido através de diluições sucessivas da substância do inicio. Estas diluições são tão importantes que até ultrapassam o limite teórico de presença molecular (número de Avogadro superior a 10^23), limite simbólico e físico para além do qual a probabilidade de presença de uma molécula é quase nula. A cada etapa das diluições tem lugar uma agitação vigorosa dos frascos chamada “dinamização”.

O número de Avogadro discutido?

“Se nos colocarmos do ponto de vista molecular… 22,4 litros contêm o número de
Avogadro (6,023×10^23). O número de moléculas em jogo no corpo humano andaria assim
à volta de 10^80. Se quiséssemos representar através de um diagrama a configuração do
movimento destas moléculas, precisaríamos de um espaço com dimensões duas vezes
10^80 pelo menos… É bastante grande!

E o materialista convencido, no geral, faz apelo grosso modo às propriedades da matéria, visto que pensamos conhecê-las. quando não as conhecemos! Esquecemo-nos demasiado facilmente: a razão de ser das propriedades da matéria mantém-se um enigma. Os sábios não têm por hábito confessarem a sua ignorância!”

Este modo de preparação de um medicamento é especial porque resulta simultaneamente de uma acção química (inerente a qualquer substância), de uma actividade física (a dinamização) e provavelmente da interacção entre o solvente (álcool, ou água, no qual a substância é colocada no principio da preparação) e da substância.

É por isso que não podemos dar a nossa opinião apoiando-nos unicamente – como na farmacologia clássica – na presença ou não de moléculas, sem tomar em consideração estes outros parâmetros. Seria esquecer os principais fundamentos da homeopatia e o modo de preparação dos seus medicamentos. Para mais pormenores, consulte o capítulo sobre os medicamentos ‘Como é que são feitos?”.

Estudos publicados em revistas científicas internacionais mostraram a actividade das altas diluições. A partir daí, o problema consiste em compreender e conhecer a natureza do suporte material da informação que transmite o medicamento homeopático. Por entre o, ou melhor, os modos de acção, uma das hipóteses actuais seria a transmissão de uma informação de natureza biofísica como parecem mostrar os últimos trabalhos efectuados em ressonância magnética nuclear.

Originally posted 2014-03-20 12:57:06.